sexta-feira, 19 agosto 2022

(ENGIE)nharia jurídica

Ago. 13, 2022 Hits:69 Opinião

O REI DOS CATALISADORES (…

Ago. 09, 2022 Hits:135 Opinião

A IGREJA QUE NÃO ACREDIT…

Ago. 08, 2022 Hits:431 Opinião

Consequências do Dever

Ago. 08, 2022 Hits:154 Crónicas

A Sombra e as Árvores

Ago. 07, 2022 Hits:296 Crónicas

Pai rico, Pai pobre

Ago. 04, 2022 Hits:244 Crónicas

DA LEITURA

Ago. 02, 2022 Hits:104 Crónicas

Enquanto o pau vai e vem

Jul. 31, 2022 Hits:110 Crónicas

É PROIBIDO NASCER EM AGO…

Jul. 29, 2022 Hits:698 Opinião

DA LEITURA





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


Pergunta Italo Calvino em Um Eremita em Paris, que não se passa exclusivamente em Paris, mas em grande parte na América: «Conseguirei arranjar tempo para ler? Não sei (isto é, penso sempre que tenho qualquer coisa melhor a fazer do que ler) […]».

É muito divertido que estas palavras sejam emitidas por um grande escritor e leitor, mas compreende-se. Num tempo em que as distracções, os divertimentos e os hobbies eram escassos e nem sempre acessíveis comparando com o que acontece hoje, mas de qualidade, ao contrário do que hoje sucede, consigo compreender que a leitura tivesse de rivalizar com fortes adversários, mesmo para um escritor, mesmo para alguém para quem os livros eram a vida, ficando estes, contudo, quase sempre… vitoriosos. Sendo que, actualmente, com a variada e luxuriante oferta, facilitada e facilitadora, de tão duvidosa qualidade, acaba a leitura por ficar não para um segundo ou terceiro plano, mas para o fim da lista. Ou nem isso.

Para ler o que leio, prescindo de ver televisão, de fazer longas refeições, e até de me dedicar mais a algumas actividades que me agradam, como trabalho de costura, música, dança, desenho e passeios sem destino. Disciplino-me para não deixar de fazer o essencial, como caminhar, conviver com as pessoas que me cativam, familiares ou não, ter algumas práticas de saúde física e mental, cozinhar alquimicamente e brincar com os inocentes da minha vida. Claro que não falo da escrita, essa não está em causa, e tanto pode ser desencadeadora de leituras, como ser desencadeada por elas. Há ainda essa grande instituição propícia à leitura. Não, não são as bibliotecas, são as filas para qualquer coisa, de preferência espaços públicos, maravilhosos pelo tempo de espera que nos dispensam: os consultórios, as paragens dos transportes, as lojas do cidadão, os variados gabinetes em cujas salas de espera vamos passando grande parte das nossas vidas, o que deixa de ser tão grave se levarmos connosco o antídoto, que é um livro. A natureza é uma benévola sala de espera totalmente compatível com o ler, como os jardins ou até mesmo o meu pequeno terraço andaluz/sefardita em Lisboa. O que é triste é ver que todos estes espaços maravilhosos são desperdiçados, sendo trocados os livros pelos telemóveis e afins. Por isso, quando estou com um bebé que reclama o meu tempo e o diálogo peripatético, o telemóvel fica de lado e é para ele, o menino, exclusivamente, a atenção. Para que um dia mais tarde ele se recorde, e quando os humanos tiverem desaprendido de se olhar e escutar sem uma máquina pelo meio, haja ao menos um olhar disponível no mundo, para quem ainda souber o que significa. Que tem isto a ver com os livros? Tudo. São a minha única concessão nesta mediação. Se o telemóvel repousa na sua presença, já o mesmo não faço com os livros, e se o vejo ocupado a brincar, faço o mesmo e pego num livro, o que ele pode compreender. Entregamo-nos à mesma actividade. Para além de que ele mesmo o faz frequentemente.

Quanto a Calvino, evidentemente que aquilo que escreveu só pode ser uma blague. Admito, no entanto, que alguém, embora adorando fazer o que faz, se é obrigado a fazê-lo profissionalmente, seja forçado a leituras que poderão não ser as que escolheria, o que faz toda a diferença.

Quanto à minha experiência, pois pelo menos conscientemente não sou condicionada a ler nada que não me apeteça, confesso que fico frequentemente contrariada quando, num atendimento público, embrenhada na leitura, as senhas começam a galgar sem pudor a uma velocidade inadmissível. Como quando, criança e adolescente, a chamada para a refeição me interrompia a leitura e quase me fazia render à prática do jejum. Como hoje, face a um painel electrónico enlouquecido a passar números, e não imobilizado num único utente como nos acostumámos a ver, me apetece trocar com o detentor da última senha. Nunca me atrevi a tal, isso, uma pessoa normal não pode fazer.

Luso.eu - Jornal das comunidades
Risoleta C. Pinto Pedro
Author: Risoleta C. Pinto PedroEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 565 visitantes e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

News Fotografia