Luso.eu | Jornal Notícias das Comunidades Portuguesas - Em jeito de remate às crónicas de uma viagem no Algarve
sexta-feira, 01 março 2024

CANDIDATOS DO PS NA FEIRA…

Fev. 29, 2024 Hits:164 Opinião

Não cedamos à facilidad…

Fev. 29, 2024 Hits:309 Opinião

Quero ser uma árvore

Fev. 24, 2024 Hits:657 Crónicas

Morre Navalny mas não a …

Fev. 24, 2024 Hits:201 Opinião

COMPETÊNCIA CÍVICA

Fev. 15, 2024 Hits:376 Crónicas

UNIVERSITAS

Fev. 14, 2024 Hits:290 Crónicas

CIDADÃO DECISOR

Fev. 10, 2024 Hits:253 Crónicas

Desconsideração políti…

Fev. 09, 2024 Hits:637 Opinião

Haja diferenças!

Fev. 07, 2024 Hits:319 Opinião

O Homem: um ser limitado

Fev. 06, 2024 Hits:297 Crónicas

O BANCO NOVO

Fev. 06, 2024 Hits:430 Crónicas

Entre a Esperança e a In…

Fev. 04, 2024 Hits:246 Opinião

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

Fev. 04, 2024 Hits:365 Crónicas

Em jeito de remate às crónicas de uma viagem no Algarve





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor!


            Nunca fui a Saint‑Tropez e o texto que, em 29 de setembro de 2023, Rupert Neate publicou na edição eletrónica do jornal The Guardian («Saint‑Tropez has become LVMH Ville»: locals slam super‑rich «takeover») serve para mostrar por que razão não tenho vontade de lá ir. O LVMH é, recordemo‑lo, um conglomerado de empresas que comerceiam produtos e serviços associados ao luxo.

            Neate revela que, na localidade piscatória em causa, adquirir bens como um impermeável da marca Christian Dior que custa 4 mil euros ou uma mala Rimowa cujo preço ascende a 2 mil euros é mais simples do que arranjar uma cana de pesca ou outros apetrechos para a prática dessa atividade.

            A procura de imóveis por parte de milionários, de gente de grossos cabedais, fez voar o respetivo preço e forçou muitos tropéziens a ir viver para outro lado. Mesmo pessoas ricas já não conseguem comprar casa em certas zonas. Os ditos argentários, note‑se, não residem em Saint‑Tropez, só aí passam algumas semanas no verão. A autarca com quem Rupert Neate falou disse‑lhe que, no inverno, há pouca gente na terra e as pequenas lojas têm dificuldade em manter as portas abertas.

            Não é recente a presença, acolá, de estrelas e de criaturas com muito bago, mas enquanto Brigitte Bardot e quejandos se integravam na comunidade e jogavam petanca na praça pública, os argirocratas que agora visitam Saint‑Tropez não têm tratos com Monsieur Tout‑le‑Monde, fecham‑se no seu círculo de convivência e escondem‑se nos iates e nas mansões de Les Parcs, o seu éden local.

            Os tropéziens estão fartos, fartos até à medula. Acresce que, depois de se lhes vedar o acesso à moradia, estão a ser impedidos de entrar em diversos restaurantes, cujos gestores e cujos funcionários só aceitam clientes de quem esperam consumo e espórtulas de elevado valor. Tudo isto é dégueulasse.

            Nunca fui à Comporta. Não sei se os restaurantes que aí operam atuam do modo que referi no parágrafo anterior. Já no que toca ao setor imobiliário e ao abandono forçado da povoação por parte dos locais, há, segundo o que vou lendo, semelhanças com o que sucede em Saint‑Tropez. Não me afeta quem, nas férias, procura a evanescência ou é motivado pelo desejo de ser visto e nada me move contra a iniciativa privada, mas este modelo de desenvolvimento e de atração causa‑me tristeza e não acarreta benefício para o país nem para o comum dos Portugueses. 

            Não sei se, no Algarve, medram nichos como Saint‑Tropez ou a Comporta. Mas percebi, no seu semblante de Jano, as faces mais modeladas pelos excessos devotados aos possidentes, à uma, e pelos vincos da frustração de quem não consegue ter casa e é açoitado pela subida do custo de vida, à outra parte.

            Em pauta estão sintomas de sociedade iníqua e fomentadora da desigualdade. Menciono outro texto de Rupert Neate, publicado na edição virtual do The Guardian em 30 de junho de 2023: Super‑rich warned of «pitchforks and torches» unless they tackle inequality. Neate dá notícia de, numa conferência promovida pela revista Spear’s que decorreu no hotel Savoy, em Londres, os ricaços terem sido advertidos de que, brevemente, podem ter de enfrentar gente munida de «forquilhas e de tochas».

            O Portugal social está feito em cacos. Não desejo a insurreição nem o regresso das tochas e das forquilhas, mas anseio por políticas que defendam o Estado Social e a regulação eficaz, que combatam as injustiças e a sobre‑exploração do trabalho. Foi essa a linha seguida pela verdadeira social‑democracia, não se acoime de «radical» quem o sufraga. Esquecê‑lo e não dar resposta aos carenciados equivale a chocar o ovo da serpente: abre passagem a propostas que, essas sim, são extremadas e trazem consigo o germe de um mal difícil de curar.

Luso.eu - Jornal das comunidades
Paulo Pego
Author: Paulo PegoEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos



Luso.eu | Jornal Notícias das Comunidades
Partilhe o nosso conteúdo!

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

A nossa newsletter

Jornal das Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 342  pessoas que estão a ver esta página no momento, e 0 membros em linha

Top News Embaixada

EVENTOS ESTE MÊS

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

News Fotografia

 
 
0
Partilhas
0
Partilhas