terça-feira, 07 fevereiro 2023

A lama dos dias

Fev. 02, 2023 Hits:278 Crónicas

DIGNIFICAR A AUTORIDADE

Fev. 01, 2023 Hits:130 Crónicas

Homoousios

Jan. 31, 2023 Hits:160 Crónicas

O Escorpião Marcelo

Jan. 31, 2023 Hits:106 Opinião

Insuspeito assassino

Jan. 27, 2023 Hits:205 Crónicas

Isto não é um país É …

Jan. 20, 2023 Hits:488 Opinião

A Importância da Educaç…

Jan. 19, 2023 Hits:1879 Crónicas

Epistocracia - O óptimo …

Jan. 15, 2023 Hits:1019 Opinião

No Palácio do Raio

Jan. 15, 2023 Hits:437 Apontamentos

AMOR





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


Tinha eu 14 anos, caminhava pela casa com a «Julieta», o meu periquito-fêmea de estimação. Frequentemente, dentro de casa, soltava-a da gaiola. Após esvoaçar durante alguns minutos, a «Julieta» costumava pousar-me no ombro para, de seguida, aninhar-se curiosa no meu cabelo encaracolado. Eu tinha a intenção de mostrar-lhe o céu de Portugal, que por esse tempo, era um país com azul por todo o lado. Talvez ela pudesse fazer amigos lá fora. Decidido, levei-a para o jardim. A «Julieta» ia conhecer a derradeira liberdade. Depois de descobrir o caminho entre um labirinto de caracóis castanhos, lá iniciou ela o seu voo, em direção ao enorme e carinhoso céu azul. Fiquei a ver o meu tesouro desaparecer, na esperança de que ela encontrasse amigos e constituísse uma família feliz.

O tempo navegou. Anos mais tarde, comecei a namorar. Passávamos as tardes de sábado junto ao rio em jogos de sedução e conversas despreocupadas. Numa dessas conversas, abordámos os amigos de estimação das nossas vidas. Ela anunciou então que o seu insubstituível companheiro de estimação, de todos os tempos, tinha sido um periquito-fêmea azul.

— Foi curiosa a forma como entrou na minha vida — disse ela — num dia de céu claro, ela apareceu a voar e aterrou suavemente no meu ombro.

— Que interessante. Tens alguma fotografia? — perguntei eu.

— Sim — disse ela tirando o telefone do bolso.

Depois de examinar as fotografias e quando finalmente consegui falar, chegámos à conclusão de que também as datas coincidiam! Era a minha «Julieta».

A luz do fim de tarde refletida na água sossegada do rio criava uma atmosfera fascinante. Agarrei-lhe docemente pela mão e puxei-a para o relvado dourado. Demos um beijo. Depois começámos a dançar ao som de uma música imaginária. Estava tão feliz por me encontrar no centro de tanto amor. Não era mais um jovem. Senti-me pela primeira vez um homem, que também sabia voar.

Luso.eu - Jornal das comunidades
Hélio Sequeira
Author: Hélio SequeiraEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 1590  pessoas que estão a ver esta página no momento, e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

News Fotografia