Touradas: prática cultural consciente ou condicionamento social?

Onde estava no dia 25 de Abril de 1974 ?

 Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor



“O mais vivo é o mais selvagem”

Se a vida reside no lado selvagem, expressão do ilustre escritor americano Henry David Thoreau, pergunto-me se é por este desejo de reconexão com o primitivo a razão pela qual algumas pessoas, ainda, gostam de touradas.

Contudo, a posição de privilégio dos que se debruçam sobre a arena, salvaguardados fisicamente por uma barreira, a fim de testemunhar o confronto ancestral entre um homem armado e uma besta selvagem, constitui a razão pela qual se desmonta a premissa inicial.

Afinal, dentro do recinto, os que parecem mais vivos não são os mais selvagens, senão os mais medrosos e mesquinhos. Os que estão inflamados pela expectativa de ver sucumbir um animal potente, forte e bravo, numa infantil encenação de virilidade. No calor de uma euforia apenas momentânea, num pico de prazer excecional de uma mentalidade obsoleta, dá-se o clímax do que é se sentir vivo ao testemunhar a morte.

Para se ter um espírito selvagem, na visão de Thoreau, é preciso que o Homem tenha alguma estrutura de espírito, não se subjugando facilmente aos artifícios de uma sociedade reprimida, que o tira da sua liberdade absoluta de pensar. Temos tendência de aceitar, sem questionar, as práticas que nos induziram como culturais. Liberdade absoluta encontra-se, então, no questionar todas as práticas normalizadas que nos foram incutidas, todas as leis que foram escritas, todas as convenções sociais que nos foram transmitidas, a fim de repensar o sentido verídico, presente, intemporal das nossas ações. A liberdade absoluta permite-nos questionar. Por exemplo, e se houvesse um “espetáculo” onde, em vez de um touro, estivesse um cão a ser alvo das mesmas barbaridades imorais e injustificadas que o touro é submetido? O que sentiríamos? Que emoções emergiriam de nós? Conseguiríamos continuar a adjetivar o “espetáculo” de “arte”?

A tauromaquia só é uma prática culturalmente aceite porque fomos condicionados socialmente a normalizá-la, pois, na falta de questionamento de muitos, tornou-se numa prática incontestável. Questionar as coisas empodera-nos a escolher aquilo que ressoa verdadeiramente connosco. Um pressuposto terá de ser testado pelo filtro da nossa consciência, entrando em comunicação com o nosso juiz interno, iniciando-se um processo de discernimento e um caminho à reflexão. Esta hipótese de pensar livremente demonstra-se ser contrária à pressão coletiva que nos exige fazer parte do senso comum, evitando as possíveis divergências com os outros.

O poder de escolha, fruto da liberdade absoluta que todos detemos, é um antídoto poderoso face à psicologia de grupo que, tantas vezes nos impele para longe da empatia. Um ato de tortura socialmente aceite, praticado pelo participante do duelo com mais potencial de consciência e discernimento, não pode estar bem, pois não faz sentido em nenhuma das esferas morais, nem éticas, nem humanas.

Defendem-se e vangloriam-se os aficionados de salvar o touro bravo da extinção, por isso criam-no a fim de o levar para a arena onde, em golpe atrás de golpe, o observam a definhar, transformando-o num animal fraco, incapaz de lutar na sua estatura total. “Espetáculo” é a expressão pela qual os aficionados nomeiam este antro de tortura, que esconde uma triste paródia de energia viril.

A cultura é um fenómeno temporal. Segundo Thoreau “(…) o essencial da condição humana reside na simplicidade e não no acumular persistente das coisas.” Já a parte “artística” das touradas, reconheço-a apenas no malabarismo de falácias e na subversão dos conceitos proferidos pela indústria tauromáquica e seus adeptos, já que a experiência estética é inexistente.

As touradas só existem em Portugal devido a uma exceção na lei que visa proibir todas as violências injustificadas contra animais. Felizmente, além de existir muitas pessoas e organizações que se protestam contra, há uma voz ativa e essencial, que tem por objetivo final a abolição das touradas em Portugal – A plataforma “Basta de Touradas”. Há esperança sempre que um povo decide empoderar-se ao fazer escolhas que reflitam o seu consciente humano.

O mais selvagem é o mais vivo. E não estou a falar de quem assiste e sai ileso no final do “espetáculo”. A verdadeira chama de viver não arde em quem é mesquinho. Estar plenamente vivo é uma condição de quem vive no seu estado de consciência impecável; de quem vive da sensatez dos seus atos em concordância com o espírito; de quem é abundante na satisfação de defender os conceitos que traduzem a sua lucidez humana, fruto da capacidade de ver no outro uma vida que vale tanto como a sua. Ver destruir a vida de um ser indefeso por puro prazer é a forma de viver mais adormentada que conheço.  O mais vivo é, seguramente, o que vive e deixa viver.

A nossa missão

EMBAIXADA DE PORTUGAL

Comunidades

14-Abr.-2024

Comunidades portuguesas nos EUA esperam atrair juventude …

Várias comunidades portuguesas nos Estados Unidos preparam já as celebrações do Dia de Portugal e esperam atrair as novas geraç

10-Abr.-2024

Fim da propina no Ensino de Português …

O fim da propina dos cursos do Ensino de Português no Estrangeiro, a aposta no voto eletrónico não presencial e mais deputados

Boletim informativo

FOTO DO MÊS

We use cookies
Usamos cookies no nosso site. Alguns deles são essenciais para o funcionamento do site, enquanto outros nos ajudam a melhorar a experiência do utilizador (cookies de rastreamento). Você pode decidir se permite os cookies ou não. Tenha em atenção que, se os rejeitar, poderá não conseguir utilizar todas as funcionalidades do site.