Colocámos cookies no seu computador para melhorar a sua experiência no website. Ao utilizar o site, está a concordar com o seu uso. Ler mais

Lusoproductions  has placed cookies on your computer to help improve this site. By using this site, you are consenting to its usage. Ler mais

Anteriormente principal porto do Norte de Portugal e centro marítimo eminente na época das grandes descobertas, Viana do Castelo guardou a marca deste passado glorioso nas suas elegantes residências manuelinas e a sua arquitectura.

Anteriormente principal porto do Norte de Portugal e centro marítimo eminente na época das grandes descobertas, Viana do Castelo guardou a marca deste passado glorioso nas suas elegantes residências manuelinas e a sua arquitectura.

As construções da Praça da República e os seus arredores formam um conjunto notável, onde destaca-se o hospital IP Misericórdia. Famoso para o seu artesanato, festas que desenrolam-se durante três dias em redor do 20 de Agosto, Viana do Castelo acolhe hoje numerosos turistas, embora a praia a mais próxima situa-se fora da cidade...

Viana do Castelo:

Viana do Castelo jaz numa paisagem de singular encanto, entre o mar e a foz do rio Lima e encostada ao Monte de Santa Luzia.
A história de Viana começou em Cobrição de Santa onde se encontra actualmente um templo moderno. Para os jovens ou desportivos a subida a pé até à parte superior da cúpula (Zimborium) será memorável. Atrás do templo, há uma Pousada situada ao lado da velha aldeia com o resto das cabanas célticas de madeira. O seu declínio começou com a invasão Romana de Portugal. Como os legionários Romanos deviam ser alimentados, todos os caçadores e apanhadores habitavam sobre esta colina, os aldeões célticos desceram no vale e tornaram-se agricultores. No entanto a sua fortuna veio do comércio com o Brasil. A aldeia e os arredores possuiam numerosas e bonitas casas construídas por estes homens ricos...

 Recortada por ruas e vilas sinuosas e largos e praças pitorescas, as suas muitas casas senhoriais e palacetes recordam a importância que adquiriu no século XV como porto de pesca e terra de onde saíram navios, marinheiros e navegadores para os grandes Descobrimentos portugueses do século XVI.
O ex-libris da cidade é, sem dúvida, o seu largo principal, a Praça da República, com o magnífico edifício dos Paços do Concelho (antiga Câmara Municipal), de traçado medieval, a velha Casa da Misericórdia (monumento renascentista) e o lindíssimo chafariz (século XVI).
A cidade é como um museu vivo, com inúmeros monumentos e casas nobres de diferentes períodos e estilos. Mas é também a capital do rico folclore do Minho, com uma importante indústria de artesanato e animadas romarias.

A mais importante é a de Nossa Senhora da Agonia, celebrada

em Agosto, que atrai multidões para assistirem à procissão, ao desfile espectácular em que as mulheres envergam os seus magníficos trajes típicos, aos arraiais com muita música, bailes e fogo de artifício, além da tradicional benção dos barcos de pesca.
Para usufruir de vistas deslumbrantes vale a pena subir ao topo do Monte de Santa Luzia (a cerca de três quilómetros do centro da cidade), a pé, de funicular ou de carro; no local existe uma luxuosa e bela pousada. A Sul de Viana do Castelo, a excelente Praia do Cabedelo é um local de eleição dos veraneantes.
Viana do Castelo é cidade desde 1848 e vila desde 1258. Antes, era um aglomerado agro-piscatório na margem direita da foz do Rio Lima, descendente dos povoados castrejos dos montes circundantes, particularmente, do de Santa Luzia, onde se conservam restos de um castro, romanizado e ocupado pelo menos até ao séc. IV. Mas encontramos vestígios paleolíticos nos terraços fluviais e praias elevadas do quaternário.

No século X, a região foi objecto de presúria pelo prócer galego Paio Vermudes, fundador dum mosteiro que os seus descendentes restauraram em S. Salvador da Torre.
O objectivo do foral de D. Afonso III é o de criar um aglomerado urbano, de expressão mercantil marítima, junto à foz do Lima, concentrando, no morro mais próximo do rio, uma população dispersa pelas quatro "vilas" existentes em redor, e centralizando no município a administração e eventualmente a defesa do termo concelhio.
A muralha, concluída em 1374, tinha inicialmente quatro portas, mas dela só restam hoje escassos vestígios visíveis. Englobava no seu circuito um bairro marítimo e a lage do penedo onde reuniam os "homens-bons" e junto da qual se ergueu a Torre de Menagem. Mas deixava de fora a igreja paroquial, lugares rurais e a piscatória Ribeira. Foi por isso que no século XV se construiu intra-muros (à custa do Penedo do Concelho e da torre) uma nova igreja, dedicada a Santa Maria Maior, que tornou obsoleta a igreja do Salvador e que transformou em Matriz (hoje Sé).
De Viana partiu João Álvares Fagundes à descoberta das terras do Noroeste Atlântico e, como ele, outros navegadores e militares, para o Brasil e para a Índia. De Viana, era o Capitão do Porto Seguro Pero do Campo Tourinho.
Como o comércio e o porto tinham de ser defendidos, D. Manuel fez construir a Torre da Roqueta. A ameaça dos piratas obriga a obras de ampliação no tempo de D. Sebastião, e D. Filipe I fez aí construir a obra integradora que, com poucos acrescentes posteriores, é o Castelo de Santiago da Barra.

 E foi pela épica resistência às tropas da Patuleia que a Rainha D. Maria II elevou Viana a cidade, por carta régia de 20 de Janeiro de 1848, afectando-lhe ao nome o monumento mais simbólico do seu passado e do seu valor: e Viana da foz do Lima passou a ser, definitivamente, Viana do Castelo.
A recuperação económica do século XVIII tinha trazido novas riquezas, e com elas os solares que embelezam a Ribeira Lima.

No século XIX vai-se prolongando este esforço construtivo de igrejas e palacetes. Mas surge, também, o Teatro Sá de Miranda, e o caminho de ferro veio trazer uma monumental estação (risco de Alfredo Soares) e a bela ponte metálica projectada por Gustave Eiffel.

Mas Viana se ainda vive orgulhosa de um passado recente, prepara-se quase de um salto, para entrar no novo milénio, com o pé direito e da melhor forma.

É o novo porto comercial, na margem esquerda, dando um outro movimento à zona de Darque e Cabedelo. É a nova ponte a valorizar uma IC 1, imprescindível nas ligações Valença/Viana/Porto. É o polígono industrial e o Ensino Superior. A nova doca de recreio, a Marina, o complexo turístico da beira-rio. É o centro histórico revivendo-se nas ruas velhinhas de séculos. É todo um concelho motivado que se afirma, consciente da sua força e do seu querer.

Gostariamos de divulgar todos os distritos do nosso  Portugal. Para tal precisamos da sua colaboração. Envie-nos tudo o que souber sobre a sua cidade, concelho ou distrito. Nós publicaremos.

Conecte-se

Se deseja inscrever-se na nossa newsletter, Digite seu endereço de e-mail.