Hino nacional

Votos do utilizador: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Foi escrito em 1890, reacção ao ultimato da Inglaterra que proíbe Portugal que reunia as suas colónias da Angola e Moçambique para deixar os Ingleses realizar o seu próprio eixo geopolítico na África, o Cairo ao Cabo.

Vindo de Londres, o aliado privilegiado de Lisboa, este ultimato feriu o orgulho nacional dos Portugueses. A música foi composta por Alfredo Keil, e as palavras por Henrique Lopes Mendonça. Ficou o hino nacional de Portugal por uma lei votada em 1911.

" No fim século XIX, Portugal redescobria a África." Privado do Brasil, desajuste da revolução industrial, recorda-se dos seus direitos históricos sobre imensos territórios largamente inexplorados. Ivens e Capelo partem reconhecer as fontes Zambèze; imediatamente, sobre o Atlas português, aparece o famoso "Mapa de cor-de-rosa ", que figura a união de só um ,Angola e Moçambique. A vontade de recrear-se uma imagem imperial no estilo século XVI suscita uma adesão patriótica unânime. Mas Portugal lançou-se na boca do lobo : bloqueia o projecto africano de qualquer Inglaterra, o grande corredorC para C (do Cabo ao Cairo) de Ex.mo. Senhor Cecil Rodes. A 11 de Janeiro de 1890, um ultimato inglês exige a retirada imediata dos bandos portugueses da futura Rodésia; entretanto em Lisboa um conugo espera a resposta ; o governo português é forçado a se render.

Opondo-se à revoltas indígenas fomentadas, pelo seu próprio aliado. Os portugueses chegaram no entanto a conservar as suas colónias africanas. Mas o Ultimato terá desencadeado as paixões ! Os professores recusam ensinar o inglês; os cidadãos britânicos não encontram mais ninguém para os barrear. Encobre-se a estátua de Camões. As senhoras da sociedade renunciam às suas jóias para o apoio da Nação. No tom Marseillaise, compõe-se A Portuguesa, o futuro hino nacional : "Levantai hoje de novo o esplendor de Portugal.

Composta em 1910
Palavras de
HENRIQUE LOPES DE MENDONÇA
(1856-1931)

Hino nacional

A Portuguesa
Heróis do mar, nobre povo,
Nação valente, imortal,
Levantai hoje de novo
O esplendor de Portugal!
Entre as brumas da memória,
Ó Pátria, sente-se a voz
Dos teus egrégios avós,
Que há - de guiar-te à vitória!


À s armas, às armas!
Sobre a terra, sobre o mar,
À s armas, às armas!
Pela Pátria lutar
Contra os canhões marchar, marchar!

Portal Luso
Author: Portal Luso
Pode ler mais sobre este colaborador
Artigos deste Autor:

The Sol Ar Vinhos de Portugal

Eventos este Mês

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
13
14
15
16
17
18
19
20
21

Pub Google

Últimos Tweets

Tabaco matou uma pessoa a cada 50 minutos em Portugal no ano passado - relatório https://t.co/kdiFe95TE2
Universidade de Santiago de Compostela debateu emigração galaico-portuguesa https://t.co/aY0VKWJQ2m
Polícia da Guiné-Bissau dispersa manifestantes com gás lacrimogéneo https://t.co/oIwVffVkdB
Follow Luso.be - Bélgica on Twitter