Redes da diáspora procuram "plataforma de cooperação" em congresso hoje no Porto

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

(Lusa) – A criação de numa plataforma “articulada e de cooperação” das redes da comunidade portuguesa espalhadas pelo mundo é, segundo o Governo, o objetivo do I Congresso Mundial de Redes da Diáspora Portuguesa, que começa hoje no Porto.

“O desejável é que estas redes comecem a trabalhar conjuntamente. Esse é o objetivo futuro: que as redes não trabalhem de ‘per se’. Sejam capazes de se conhecer e de trabalhar articuladamente e em cooperação”, disse à Lusa José Luís Carneiro, secretário de Estado das Comunidades Portuguesas.

A sede da Ordem dos Técnicos Oficiais de Conta no Porto recebe hoje “mais de 500” representantes e protagonistas das diversas redes dos portugueses da diáspora num encontro que deverá permitir ao Governo “avaliar o percurso que foi desenvolvido durante esta legislatura” junto das comunidades, segundo o governante.

O evento deverá, por outro lado, oferecer ao executivo a possibilidade de estabelecer “um compromisso de prospetiva relativamente ao que pode ser feito e melhorado no futuro, independentemente do titular da pasta das Comunidades Portuguesas”, declarou o secretário de Estado, coorganizador do congresso com a Câmara Municipal do Porto e a Ordem dos Contabilistas Certificados.

“É muito significativo que, pela primeira vez, portugueses que estão eleitos nos Estados Unidos, em França, na Austrália, na África do Sul, [se reúnam] com empresários que estão a promover o país todos os dias e a trazer investimento para Portugal, com jovens investigadores que podem dar um contributo imenso, nomeadamente a essas estruturas empresariais. O encontro de todas estas redes é muito significativo e não deixará de produzir efeitos estratégicos futuros”, afirmou José Luís Carneiro.

O evento contará com a presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, do primeiro-ministro, António Costa, do ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, e haverá uma alocução sobre a diáspora do arcebispo José Tolentino Mendonça, arquivista e bibliotecário da Santa Sé.

Segundo Carneiro, foram convidados todos os ex-secretários de Estado das Comunidades Portuguesas e os deputados eleitos pela emigração para presidirem aos painéis temáticos, porque “a política para as comunidades portuguesas, assim como o conjunto das políticas no Ministério dos Negócios Estrangeiros, são políticas de Estado. Não são políticas que estejam sujeitas à partidarização”.


RECOMENDADOS PARA SI

Eventos este Mês

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
5
6
12
13
19
20
26
27
31

Últimos Tweets

FOLAR LIMIANO COM REPRESENTANTE EM PARIS (DRANCY) https://t.co/zla8d4KMjc
Em Tampere, Guise e Crespi d’Adda https://t.co/jshY0UH8R4
Filme EMPATE novamente em Bruxelas https://t.co/d8bOnlr326
Follow Jornal das Comunidades on Twitter