Caso BPN: Oliveira e Costa condenado a mais um ano de prisão

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

(Lusa) – O ex-presidente do BPN Oliveira e Costa foi hoje condenado a mais um ano de cadeia, a juntar aos 14 anteriormente aplicados, por abuso de confiança, depois de o tribunal se ter esquecido de fixar a pena.

O coletivo de juízes do Juízo Central Criminal de Lisboa, presidido por Luis Ribeiro, reformulou hoje o acórdão do caso principal do BPN, atribuindo quatro anos de prisão a Oliveira e Costa por abuso de confiança, estipulando, no final, uma pena única de 15 anos de cadeia para o ex-presidente do banco.

Entendeu o tribunal que o fundador do grupo SLN/BPN se apropriou indevidamente de mais de três milhões de euros que estavam no Banco Insular de Cabo Verde.

A reformulação da decisão resulta de um recurso apresentado no Tribunal da Relação de Lisboa.

Em maio de 2017, Oliveira e Costa foi condenado a 14 anos de prisão, dos quais já cumpriu dois em preventiva, por falsificação de documentos, fraude fiscal qualificada, burla qualificada e branqueamento de capitais.

Além de Oliveira Costa, outros três arguidos - Luís Caprichoso, Francisco Sanches e José Vaz Mascarenhas - foram condenados a penas de prisão efetivas, com o tribunal a considerar que as suas condutas foram especialmente graves.

Num outro processo que envolve ex-responsáveis do BPN e cujo acórdão foi conhecido na segunda-feira, Oliveira e Costa foi condenado a 12 anos de prisão por dois crimes de burla qualificada.

Pub


RECOMENDADOS PARA SI

No restaurante Ricardos

BOM DIA HOJE 20/09

  • ARROZ DE CABIDELA
  • LULAS C/ MOLHO DE CARIL

Reserva on-line

Eventos este Mês

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Últimos Tweets

LE: Vitória de Guimarães arranca com derrota em Liège https://t.co/V2sxoQEr0O
Brexit: Especialistas apresentam alternativa ao ‘backstop’ https://t.co/escO694f7D
Comissária portuguesa Elisa Ferreira ouvida pelo Parlamento Europeu a 02 de outubro https://t.co/jO4Rc7pIDV
Follow Jornal das Comunidades on Twitter