Assinalou-se no passado dia 11 de setembro, o mais trágico acidente ferroviário ocorrido em Portugal.

Nesse dia de 1985, na linha férrea de via única da Beira-Alta, perto do apeadeiro de Moimenta de Maceira Dão/Alcafache, uma violação grosseira dos procedimentos técnicos provocou o choque entre o Sud-Express que saiu do Porto com destino à estação de Austerlitz, em Paris, e o comboio que partiu da Guarda com destino a Coimbra e o incêndio imediato nas carruagens da frente de ambos os comboios causou uma grande quantidade de feridos e um número de vítimas mortais (muitos deles emigrantes que regressavam a França para mais um ano de trabalho) que ainda hoje não é exacta e diverge consoante as fontes.

Há corpos que nunca foram identificados, restos mortais confundidos com destroços, fragmentos humanos que ficaram em frigoríficos durante anos e cadáveres não reclamados.

O inquérito da CP referiu mais de 49 mortos, número a que o balanço publicado então pela imprensa acrescentou 170 feridos.

Para a posteridade fica a horrível incógnita sobre os cerca de 64 passageiros desaparecidos. Aqui fica a minha homenagem às vítimas desta tragédia, esperando que nunca mais se volte a repetir tamanha calamidade.

Pub

 

Jose Inácio Faria
Autor / Convidado | Eurodeputado do Partido da Terra-MPT
Pode ler mais sobre este colaborador
Artigos deste Autor: