Poderia ser uma festa popular normal e habitual nesta altura do ano, mas não!... Muito mais além disso …

O grupo «Os amigos da Matriz», como se intitulam é composto por vários membros nascidos, criados e/ou residentes na zona envolvente da Matriz, fazem desta festa popular um momento em que o seu trabalho e devoção seja inteiramente dedicado a Sto. António, e tudo isto com cariz de entreajuda e para que a tradição se mantenha. Mas, e todos os anos assim fazem, os lucros tem a única finalidade de ajudar e contribuir para que a capela de Sto. António se preserve e sempre emblezada. Referir, ainda, que este santo tem o seu altar na arcada da antiga Casa da Guarda, no Largo do Turismo desde o século XVIII.

Este ano a festa vai regressar em devoção o santo milagreiro Santo António … Tome nota, dia 15 de Junho, próxima 6ª feira, celebra-se a missa pelas 19.00 horas e logo depois o arraial minhoto com Poderia ser uma festa popular normal e habitual nesta altura do ano, mas não!... Muito mais além disso …

O grupo «Os amigos da Matriz», como se intitulam é composto por vários membros nascidos, criados e/ou residentes na zona envolvente da Matriz, fazem desta festa popular um momento em que o seu trabalho e devoção seja inteiramente dedicado a Sto. António, e tudo isto com cariz de entreajuda e para que a tradição se mantenha. Mas, e todos os anos assim fazem, os lucros tem a única finalidade de ajudar e contribuir para que a capela de Sto. António se preserve e sempre emblezada. Referir, ainda, que este santo tem o seu altar na arcada da antiga Casa da Guarda, no Largo do Turismo desde o século XVIII.

Haverá sardinhas, Febras, caldo verde e arroz doce e tudo regado com bom vinho da região.
Obviamente, arraial tem música é a actuação fica a cargo do grupo Festada Portuguesa e do rancho Academia de Dança e Música Tradicional de Caminha e Vilarelho. Tudo acontece no Largo do Turismo …

Milagres de Santo António
Santo António será sem dúvida o ‘Santo dos Milagres’ e de todos aquele que mais merece esse epíteto no mundo cristão.
A sua taumaturgia iniciada em vida com uma pluralidade de milagres que lhe valeram a canonização em menos de um ano, é, na história da Igreja, a mais vasta e variada.
De Santo ‘casadoiro’ a ‘restituidor do desaparecido’, passando por ‘livrador’ das tentações demoníacas, a Santo António tudo se pede não como intercessor mas como autoridade celestial. No entanto, cingir-nos-emos a milagres operados em vida como paradigmáticos dessa taumaturgia: Santo António a pregar aos peixes, livrando o pai da forca e a aparição do Menino Jesus em casa do conde Tiso.

Quanto ao primeiro milagre -Santo António prega aos peixes- reza a lenda que estando a pregar aos hereges em Rimini, estes não o quiseram escutar e viraram-lhe as costas. Sem desanimar, Santo António vai até à beira da água, onde o rio conflui com o mar e insta os peixes a escutá-lo, já que os homens não o querem ouvir. Dá-se então o milagre: multidões de peixes aproximam-se com a cabeça fora de água em atitude de escuta. Os hereges ficaram tão impressionados que logo se converteram. Este milagre encontra-se citado por diversos autores, tendo sido mesmo objecto de um sermão do Padre António Vieira que é considerado uma das obras-primas da literatura portuguesa.

No segundo milagre, Santo António livra o pai da forca. Conta a lenda que estando o Santo a pregar em Pádua, sentiu que a sua presença era necessária em Lisboa e recolheu-se, cobrindo a cabeça em silêncio reflexão. Simultaneamente (e mercê do dom de bilocação) encontra-se em Lisboa, onde seu pai tinha sido injustamente condenado pelo homicídio de um jovem. Este, ressuscitado e questionado pelo Santo, afirma a inocência do pai de Santo António e volta a descansar.

Liberta-se assim o inocente que por falso testemunho tinha sido acusado. Santo António põe-se então ‘a caminho’ e subitamente ‘acorda’ no púlpito em Pádua recomeçando a sua pregação. Representam-se assim aqui dois fatos miraculosos num só: a bilocação e poder de reanimar os mortos.O terceiro milagre, também reportado na crónica do santo , ocorre já no fim da sua vida e foi contado pelo conde Tiso aos confrades de Santo António após sua morte.

Estando o Santo em casa do conde Tiso, em Camposampiero, recolhido num quarto em oração, o conde curioso espreita pelas frinchas de uma porta a atitude de Frei António; depara-se-lhe então uma cena miraculosa: a Virgem Maria entrega o Menino Jesus nos braços de Santo António. O menino tendo os bracinhos enlaçados ao redor do pescoço do frade conversava com ele amigavelmente, arrebatando-o em doce contemplação. Sentindo-se observado, descobre o ‘espião’, fazendo-lhe jurar que só contaria o visto após a sua morte.

São estes os três mais famosos milagres de Santo António, embora muitos mais pudessem ser referidos. Nas ‘Florinhas de Santo António’ ou no ‘Tratado dos Milagres’ é relatado um milagre praticamente para cada dia do ano, o que reafirma o seu carácter taumaturgo.

Pub

 

Isabel Varela
Jornalista / colaboradora
Pode ler mais sobre este colaborador
Artigos deste Autor: