«Caminha no pior lugar de sempre no Índice de Transparência Municipal»
- afirma o PSD e o executivo não responde

«Falta de transparência»é a acusação feita pelo Partido Social Democrata de Caminha e que agora vê as suas acusações corroboradas pelo estudo efectuado pelo TIAC

(Transparência, Integridade, Associação Cívica) e os seus parceiros.

TIAC foi constituída em 2010, tendo como finalidade geral promover a legalidade democrática e a boa governação, combatendo a corrupção e fomentando os valores da transparência, integridade e responsabilidade na opinião pública, nos cidadãos e nas instituições e empresas.

Em 308 Municípios, Caminha aparece na posição 235ª. «Uma queda de cerca de 200 lugares desde que o actual presidente assumiu funções no nosso concelho», acusam os sociais democratas.

Esta força política assenta também as suas acusações nas contratações e contractos não «estarem publicados atempadamente», porque em Caminha «segue -se a regra do manda-se fazer” e só depois se fazem os contractos».

Também alertam para a contratação de mais de 40 pessoas a recibos verdes feitos pelo actual executivo socialista e que «servem para contornar as leis da contratação pública, que permite igualdade de acesso e oportunidades a todos». Neste aspecto, o PSD diz não entender e deixa uma interrogação.« Nunca percebemos, se eterminados lugares precisam de ser ocupados porque fazem falta ao bom funcionamento do Município, porque é que não promovem o concurso legal para o efeito?!

Será que o motivo se pode prender com o facto de não querem que qualquer pessoa concorra a esses lugares? Parece-nos que essa é uma forma política de conseguirem ter as pessoas “presas” à sua governação com medo de perderem esse vínculo, mesmo que precário».

Dúvidas e interrogações que colocamos ao presidente da Câmara Municipal de Caminha, Miguel Alves, mas às quais não obtivemos resposta.

Pub