Colocámos cookies no seu computador para melhorar a sua experiência no website. Ao utilizar o site, está a concordar com o seu uso. Ler mais

Lusoproductions  has placed cookies on your computer to help improve this site. By using this site, you are consenting to its usage. Ler mais

Votos do utilizador: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Autarquia Empresarial

A administração/gestão empresarial, atualmente, pressupõe, não só conhecimentos técnicos, em vários domínios, nomeadamente, negociação nas compras, penetração e diversificação nos/dos mercados, contratação e gestão dos recursos humanos, organização contabilística, controle financeiro, fiscalidade, benefícios e responsabilidades fiscais, sociais e mutualistas, angariação de carteira de clientes, nas melhores condições de estabilidade e segurança, bem como a maior sensibilidade para a gestão dos recursos humanos, afetos à empresa e predisposição para uma política sadia, leal e honesta, de relacionamento humano com todos os públicos intervenientes na empresa – acionistas, fornecedores, clientes, trabalhadores e famílias, com idêntico destaque para as instituições legais que mantenham relações com a empresa.

Naturalmente que sem resultados positivos, nenhuma empresa sobreviverá e, mais tarde ou mais cedo, o seu encerramento será inevitável, com as consequências, por vezes dramáticas como: desemprego, dívidas, aumento das dificuldades para empresas fornecedoras, instituições públicas credoras e quaisquer outras dependentes da empresa, incluindo as famílias dos trabalhadores.

É óbvio que os resultados, no mínimo, dependem da gestão da Administração, do empenho dos trabalhadores e da estabilidade do mercado, porém, sempre caberá aos executivos dos vários departamentos a condução eficaz dos respetivos processos e procedimentos, conforme as orientações superiores.
A Filosofia da Administração, fundamentada em valores ético-morais, como a probidade, a transparência, a equidade, o espírito de equipa e de missão e a solidariedade, entre muitos outros que se relacionam com a empresa, deve ser escrupulosamente implementada, acompanhada e periodicamente testada.

E, paralelamente, uma atenção privilegiada aos recursos humanos, às pessoas, para além da circunstância e do papel que desempenham, porque, indistintamente dos respetivos estatutos socioprofissionais, assiste-lhes uma dignidade que é superior a quaisquer outros aspetos na medida em que: «Administração significa realçar as qualidades dos indivíduos. Indivíduos que, em suas personalidades e caracteres, exibem uma integração de valores universais, como a sabedoria e reverência, honestidade, integridade e devoção aos interesses humanos, (...). São esses os indivíduos que dão vida e espírito aos números, aos mapas e aos organogramas, os quais, de outra forma, seriam símbolos insípidos. (...) A única solução segura é dar aos indivíduos de todos os níveis um sentimento de missão, uma compreensão de inter-relações e um senso obrigatório de objetivos e valores globais.» (DIMOCK, 1967: 20-21).

Pub

O sucesso das instituições públicas, tal como o êxito das empresas privadas, e o dinamismo que se pretende para as associações e movimentos cívicos, passam, inevitavelmente, pelas pessoas, cada uma das quais no exercício das suas funções, executadas com competência, entusiasmo, responsabilidade e sempre atualizadas, num verdadeiro espírito de missão, de cooperação solidária, institucional e profissional, entre os vários grupos, técnicos e utentes da instituição, qualquer que seja a sua natureza.

Afinal, o centro de irradiação do sucesso, ou do fracasso, de quaisquer organizações, está sedeado na pessoa, considerada em todas as suas dimensões – política, social, axiológica, religiosa, profissional, cultural, entre outras.

Instituição que não valoriza os seus trabalhadores, na perspectiva da dignidade humana, que enquanto pessoas lhes é devida, caminha para o descrédito e para o fracasso, designadamente, e em primeira instância, nos seus mais diretos responsáveis, administradores, executivos e quadros superiores, porque a estes pertence darem provas concretas, inequívocas e permanentes, através das suas intervenções, atitudes e relacionamento humano, relativamente aos restantes trabalhadores, seus subordinados, porquanto: «Assim é que é a pessoa humana a fonte, a causa, a raiz e o fim de todas as instituições.

Pub

Ela é a portadora da espiritualidade, da dignidade de imagem de Deus, da responsabilidade, da consciência e da liberdade. É, portanto, a ela que se devem atribuir os direitos que por justiça, inalienáveis, inamissíveis, irão lhe conservar a posição de rainha entre os seres da criação.» (SARTORI, 1990:34).

O que eficientemente se exige aos colaboradores da empresa privada, na perspectiva do trabalho por metas, para que os objetivos sejam alcançados e ultrapassados, o mesmo se deve postular para as instituições públicas, embora com as devidas e necessárias adaptações.

Importa, neste contexto, enquadrar as autarquias locais em geral e as Câmaras Municipais em particular, dado que estas se revestem de dimensões, competências, recursos e objetivos diferentes das outras autarquias do nível das Juntas de Freguesia que, na sua esmagadora maioria, carecem de, praticamente, tudo o que é necessário para a concretização de determinadas intervenções.

Direcionar o foco das atenções administrativas, financeiras, técnicas e dos recursos humanos para as Câmaras Municipais (Prefeituras no Brasil) é um dever dos poderes constituídos ao nível do Governo Central (Federal no Brasil), contudo, exigindo-se aos autarcas, a maior prudência, racionalidade e probidade na aplicação dos recursos financeiros, já que a maior parte destes, provêm dos impostos que os contribuintes, quantas vezes com imensos sacrifícios e privações, são coagidos a pagar, sob pena de lhes serem retirados os bens que possuem.

Administrar a autarquia segundo a filosofia empresarial, com as devidas e necessárias adaptações, poderá constituir o primeiro e grande objetivo da boa gestão. Nesse sentido, a seleção dos melhores fornecedores, aqui se considerando empreiteiros, prestadores de serviços e de bens de consumo, entre muitos outros aspetos importantes, embora, eventualmente, com menor impacto.

Pub

Conecte-se

Se deseja inscrever-se na nossa newsletter, Digite seu endereço de e-mail.