Colocámos cookies no seu computador para melhorar a sua experiência no website. Ao utilizar o site, está a concordar com o seu uso. Ler mais

Lusoproductions  has placed cookies on your computer to help improve this site. By using this site, you are consenting to its usage. Ler mais

Cresci entre duas famílias muito diferentes, o que me moldou a personalidade e fez de mim o que sou: uma pessoa sem amarras, extremamente tolerante e aberta a todos os cultos e razões.

Não era nada politizada e lembro-me de que o primeiro contacto com estudos políticos foi no liceu com o professor Vladimiro Castilho, na altura estudante de Direito em Coimbra. Não me despertou interesse nenhum saber a composição do Governo e da Assembleia de República. Devia ter ficado atenta aos sinais e não enveredar pelo Direito, já que nunca me entusiasmou e o fiz quase como uma penitência. Felizmente a “escrita” resgatou-me!

Mas voltando aos prenúncios do 25 de Abril, ouvia, muito pequena, em Cortinhas, na família Teixeira de Queiroz, piadas sobre o facto de o Salazar ter caído da cadeira. Podia ser outra individualidade qualquer, mas alguém ter caído de uma cadeira e morrer foi memorável. O meu avô Paulo era anti-salazarista ferrenho - o que só abona a seu favor. Também ouvia entre conversas soltas, ou ouvidos soltos, que o professor Marcelo Caetano (casado com uma tia) era um bom professor de Direito mas não um político. Na televisão havia aqueles programas em que ele falava das “vacas magras” e também me passavam ao largo.

Na minha família paterna, Barros Pinto, era o contrário: o meu avô Mário era um defensor do antigo regime e salazarista convicto. Que eu me lembre não se falava de política em casa e só mais tarde, após o dia D vim a ouvir conversas: reuniões da direita em Espanha, sussurros, a minha avó Aninhas muito preocupada. Então as dissidências começaram à mesa, entre pai e filhos.

Ouvi, com grande interesse e emoção que o meu tio Artur, então em Coimbra a estudar Direito, teve de fugir e saltar por uma janela, ao ser apanhado numa reunião subversiva, isto em maio de 69, no seguimento do Maio de 68 em Paris, que seguia avidamente – como tudo na vida - pela revista O Século Ilustrado, que se recebia na casa do meu avô Barros Pinto.

O meu tio Artur tinha um conjunto, os Plátanos e cantávamos músicas revolucionárias do Zeca Afonso (sem que disso tivesse consciência). De uma vez levou-me a um ensaio, numa casa arruinada que já não existe, dos Vaz Guedes, eu era mínima e senti-me importantíssima.
Mesmo assim nunca me senti “dentro” do espírito, nunca fui atraída para a política activa, ou para a militância. Tive sempre um espírito livre e receptivo mais a causas sociais do que ao espartilhamento partidário. Acho que sempre fui uma “anarquista social”, se é que isso significa alguma coisa.

Claro que imbuída do espírito revolucionário a que não podia ficar alheia, oferecia ao meu pai, nos anos, livros da extrema-esquerda: Mao Tse Tung e todos os revolucionários de quem se falava (na minha casa ofereciam-se sempre livros). Não que percebesse porquê, mas era assim, a livraria do sr. Manuel do Lima e a de baixo, do Zé do Lima, tinham um largo manancial deste género literário nas montras. O meu pai olhava pouco entusiasmado ou até desconsolado para os livros, mas não dizia nada.
A minha primeira escolha partidária foi o partido com a sigla mais comprida: FEC-ML, ou seja, Frente Eleitoralista Comunista Marxista Leninista. Olé! Eu e as minhas amigas. Passado um mês (ou uns dias) mudámos para o CDS (veja-se a coerência!), onde permaneci até à morte de Lucas Pires. Depois, deixei-me de partidos.

Nos Arcos não vivemos a intensidade com que se viveu a política nas grandes cidades, ou eu não a vivi, pois se calhar a minha reacção seria a mesma.
No liceu lembro-me das RGAs – Reunião Geral de Alunos, onde praticamente nunca estive presente. Não fiz parte de agressões a professores ou a “saneamentos do director”, não estava na minha natureza, live and let live, fui sempre fiel ao princípio “vive e deixa viver”. Lembro-me de andar cheia de auto-colantes do CDS da cabeça aos pés, até na testa, e de o meu pai dizer que não saía comigo à rua assim!
Lembro-me de ver a sede do partido comunista a arder, no “verão quente” de 75, instalada de palanque na esplanada da Deusa, mas sinceramente, nenhuma emoção “ardeu” dentro de mim.

À parte as minhas memórias factuais, toda a vida mudou no nosso pequeno burgo. Começaram a chegar os “retornados” das colónias, começou a chegar a droga e o MFA. Havia helicópteros e jovens a fazer o “serviço cívico” nas aldeias. Havia um movimento e uma excitação latentes na vila. Chegaram médicos barbudos que passavam as tardes no Galerias a fazer conversa com as meninas do liceu.

A minha vida pouco mudou. Devia ser uma privilegiada pois tudo continuou na mesma, as minhas causas, as sociais, o interesse pela justiça e bem-estar do próximo foram os valores com que cresci e me continuei a interessar. Tenho a certeza de que sou uma revolucionária – sempre fui -, mas pela cidadania e causas sociais, repito!
Lembro-me de ver passar as manifestações, onde também não participei.

Não precisei de partidos para singrar na vida, uns anos mais tarde vim para a faculdade de Direito em Lisboa onde já tudo estava normalizado, onde o ambiente era austero e nada revolucionário, e a exigência ilimitada. Esse foi o primeiro grande confronto da minha vida, o meu 25 de Abril: sair de casa e ingressar num mundo frio e hostil de que nunca mais me livrei – até hoje!

25 de Abril de 2013

Conecte-se

Se deseja inscrever-se na nossa newsletter, Digite seu endereço de e-mail.