Colocámos cookies no seu computador para melhorar a sua experiência no website. Ao utilizar o site, está a concordar com o seu uso. Ler mais

Lusoproductions  has placed cookies on your computer to help improve this site. By using this site, you are consenting to its usage. Ler mais

Não haverá muita memória de uma notícia ter sido republicada e vendida como novidade e com sucesso meses depois. No caso da falta de publicação de estatísticas sobre transferências para offshores quando Paulo Núncio era secretário de Estado, o tema foi tratado pelo mesmo jornal diário em 28 de abril de 2016 e em 20 de fevereiro de 2017. Sem coincidências – em política raramente há coincidências – o assunto ressurgiu quando o PS se esforçava por fazer esquecer responsabilidades sobre a forma deprimente e opaca como geriu o processo de nomeação da direção da CGD presidida por António Domingues. E apesar de requentado, à Esquerda, como se vê, tem dado imenso jeito.

O que é que está em causa? Estatísticas. Isso mesmo. Estatísticas. E o que tenta a Esquerda? Transformar a publicação de dados que a administração tributária possuía – nunca esteve em causa a sonegação de informação devida pelos bancos ao Fisco – numa tentativa de Paulo Núncio esconder qualquer coisa. Chama-se ignomínia.

Independentemente de quaisquer divergências, houve uma frase do anterior presidente da Autoridade Tributária, José Azevedo Pereira, que sobre o tema nem sequer deveria permitir dúvidas:

“A Autoridade Tributária efetuou, em devido tempo, quer o tratamento e o acompanhamento inspetivo que lhe competia, quer a preparação dos elementos necessários à efetiva divulgação pública dos elementos em causa”.

Significa que se tratou e acompanhou, a Autoridade Tributária avaliou necessariamente a legalidade das transferências e cobrou o imposto devido. Se não cobrou – essa é competência do Fisco, não é dos governos – dispõe de 12 anos para o fazer e 1000 novos inspetores tributários, precisamente porque o ex-secretário de Estado aumentou em 8 anos o prazo de caducidade e permitiu aquelas contratações. E se houve dados que desapareceram, desapareceram no Fisco.

Mesmo assim, Paulo Núncio decidiu assumir responsabilidades políticas. Foi uma decisão pessoal.

Já ministros que governam, por responsabilidades atuais, não assumem coisa nenhuma e escondem. Ao mesmo tempo, muitos dos socialistas que massacram o ex-secretário de Estado por ter negligenciado ou ajuizado mal um despacho sobre publicações estatísticas que um jornal referiu, calam anos de notícias em muitos outros, que relacionam um ex-primeiro ministro e ex-líder do partido com offshore alegadamente próprios e marcam presença em jantares promovidos para lavar imagens com mais afinco do que os paraísos fiscais lavam dinheiro.

No Mundo estranho em que vivemos, estas coisas acontecem.

Conecte-se

Se deseja inscrever-se na nossa newsletter, Digite seu endereço de e-mail.