Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor.

Cimeira Europeia: O acordo possível, mas que deveria ser mais ambicioso

ID:N°/ Texto: 5596
Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Francisco Guerreiro, eurodeputado dos Verdes/Aliança Livre Europeia (ALE), considera que o acordo alcançado, tanto para o Quadro Financeiro Plurianual (QFP) (1074 mil milhões) como para o Fundo de Recuperação (FR) (750 mil milhões euros), na madrugada de hoje, é o possível, mas está longe de ser o necessário.

O eurodeputado lamenta cortes nos programas de mitigação dos impactos das alterações climáticas e de reposta à crise da biodiversidade, a ausência de menção ao cumprimento do Estado de Direito para receber fundos, de preparação para futuras pandemias na União Europeia (UE), para relançar de modo sustentável a economia e, por fim, para garantir que a Europa se mantenha coesa e reforce o mercado interno contra choques macroeconómicos.

Se por um lado, a histórica decisão de permitir de facto Eurobonds, no valor global original de 750 mil milhões (mm) € é de louvar, o que se teve de abdicar para o conseguir é globalmente negativo: cortes em programas essenciais como o Fundo para a Transição Justa, na Saúde, Investigação e Erasmus; enfraquecimento quase total da condicionalidade de respeito pelo Estado de Direito para se poder aceder aos fundos; introdução de um direito pelo Conselho de quase “veto” aos Estados-Membros (EM) na atribuição das subvenções do FR.

Esta mutualização da dívida é um marco na história da construção europeia e apesar de variáveis menos aceitáveis pode, juntamente com o razoável tamanho do pacote global, ser suficiente para impedir uma nova crise das dívidas soberanas dos países em mais dificuldade e do próprio euro.

A repartição entre subvenções e empréstimos foi o grande ponto de discórdia. A Comissão Europeia e grande parte dos países queriam um pacote com 500mm€ em subvenções e 250mm€ em empréstimos. Um grupo de países cognominado de “frugais” partiram duma posição agressiva de zero subvenções. No final aceitaram um FR com 390mm€ de subvenções e 360mm€ de empréstimos. 

À primeira vista, pode parecer que os ditos "frugais" perderam em toda a linha mas, além de um QFP mais reduzido, conseguiram (como é comum num Conselho Europeu) receber ainda mais dinheiro nos famosos “rebates”, descontos que alguns Estados-membros recebem às contribuições que tem de fazer anualmente para o Orçamento comum: Dinamarca poupa 155 milhões extra, Áustria 278 milhões, Suécia 246 milhões e Países-Baixos mais 245 milhões somando anualmente 1.921 milhões de euros de “rebates”.

Um dos pontos positivos foi a salvaguarda do compromisso de passar para 30% o mínimo de investimentos tanto no QFP como no FR que forçosamente terão de ser destinados a ações de combate às alterações climáticas e de proteção do Ambiente. 

Para Portugal o acordo é comedidamente positivo e representa um valor global de 55.900 milhões de euros nos próximos 7 anos. Do plano de Recuperação virão 15,3 mm€ em subvenções e ainda a possibilidade de 10,8 mm€ de empréstimos. Do Quadro Financeiro Plurianual 2021-2027 virão, nos diversos programas (PAC, Erasmus, Horizonte, FEDER, etc…) 29,8 mm€. 

Para utilizar em pleno todas as verbas Portugal terá de melhorar consideravelmente a sua execução e aumentar a capacidade (de execução) para 6,4 mm€ por ano. O grande desafio para o país é evitar o crescente endividamento público e privado nos próximos anos e garantir que por cada euro gasto de fundos ou empréstimos europeus ele se multiplique e que garanta a criação de empregos sustentáveis e duradouros.

No geral o acordo tem pontos positivos, apesar de não ser o desejável aos olhos dos Verdes/ALE, e revela a capacidade dos líderes europeus em chegar a um consenso quando enfrentam uma crise. Cabe agora ao Parlamento Europeu, nas negociações, defender o fortalecimento da condicionalidade do respeito pelo Estado de Direito, repor os cortes nalguns programas-chave e forçá-los a concretizar o plano de recursos próprios (taxa digital, plásticos, transações financeiras) para que no futuro, não precisemos destes estratagemas para termos um orçamento robusto. 

Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor.


RECOMENDADOS PARA SI

Eventos este Mês

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Últimos Tweets

Lisboa a Lagos e Ceuta 600 anos depois https://t.co/haCCQyQx8h
Covid-19: Autarcas da AMLisboa podem alterar horário de funcionamento do comércio - Governo https://t.co/rAyTdbQfMR
Covid-19: Portugal com mais seis mortes e 325 novos casos nas últimas 24 horas https://t.co/6raV0XLVbL
Follow Jornal das Comunidades on Twitter