Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor.

Covid-19: Chega rejeita "pandemónio" e admite reservas a renovação de emergência

Convide os seus amigos

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 


(Lusa) - O deputado único André Ventura, do Chega, manifestou hoje reservas quanto à renovação do estado de emergência, criticando a ideia de libertação de reclusos e exigindo clareza nas restrições impostas.

"O Chega entende que um estado de emergência deve ser para controlar uma pandemia e não para gerar o pandemónio nas nossas cidades e nas nossas terras", declarou o deputado André Ventura, no debate parlamentar sobre a renovação do estado de emergência em Portugal.

André Ventura defendeu que o país tem o dever "de não permitir que uma crise de saúde se torne numa crise de impunidade e de criminalidade" e por isso, acrescentou, "o Chega não vai votar a favor deste estado de emergência porque emergência é para controlar o caos e não para aumentar o caos nas nossas ruas".

O deputado começou por dizer que os poderes que o primeiro-ministro precisa "devem ser reforçados" e lembrou que o seu partido foi o primeiro a pedir o estado de emergência e o encerramento de fronteiras.

No entanto, o deputado único do Chega considerou que o que o país precisa de clareza sobre as restrições e poderes de que as autoridades dispõem para fiscalizar os abusos ao estado de emergência e criticou o facto de muitos portugueses estarem confinados em casa sem circular existindo "aeroportos abertos sem qualquer controlo sanitário" onde chegam pessoas "oriundas de países onde a pandemia é fortíssima".

"O que o Chega nunca vai aceitar e não poderá aceitar é a libertação de presos das nossas cadeias, por muito que nos digam que são medidas pedidas pela ONU [Organização das Nações Unidas], medidas de humanidade", reforçou.


RECOMENDADOS PARA SI