Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor.

Parlamento Europeu pressiona Comissão com resolução sobre o futuro Pacto Ecológico Europeu

ID:N°/ Texto: 4450
Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Estrasburgo, 15 de janeiro de 2020 – O Parlamento Europeu aprovou hoje, por maioria, uma resolução que estabelece metas e compromissos estruturais para a futura proposta da Comissão Europeia sobre o Pacto Ecológico Europeu.

A resolução aprovada pressiona a Comissão Europeia em garantir a redução de 55% de Gases com Efeito de Estufa (GEE) até 2030, pese embora os Verdes Europeus terem proposto a meta de 65%, o fim dos subsídios a combustíveis fósseis já em 2020, a reorientação dos investimentos do Banco Europeu de Investimento para uma transição para energias 100% limpas e renováveis e o estabelecimento de metas nacionais vinculativas e ambiciosas para o setor das energias renováveis e para a eficiência energética.

Nesta resolução os Verdes Europeus conseguiram ainda garantir um compromisso de revisão da legislação em torno do bem-estar e proteção animal na resolução final.

“Conseguimos que o Parlamento se comprometesse a rever a legislação em torno da proteção e do bem-estar animal no contexto da redução de emissões do setor pecuário” afirma o eurodeputado Francisco Guerreiro.

De notar que todas as propostas pró-nucleares foram linearmente rejeitadas pelo Parlamento Europeu, um sinal forte para a Comissão Europeia investir no sector das energias e indústrias 100% limpas e renováveis.

 

Porém, as propostas dos Verdes Europeus em alinhar a Política Agrícola Comum com o Pacto Ecológico Europeu e em garantir a proteção de 30% de áreas marinhas foram rejeitadas.

“Mais uma vez, a visão conservadora das grandes famílias políticas travou a importante revisão de políticas agrícolas europeias, nomeadamente através da Política Agrícola Comum, o que não reflete a urgência de protegermos a biodiversidade e mudarmos o modo como produzimos, distribuímos e consumimos alimentos na Europa”, conclui o eurodeputado.


RECOMENDADOS PARA SI