Eleições: Costa admite rever Constituição para combater violência doméstica

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

(Lusa) – O secretário-geral do PS, António Costa, admitiu hoje, se necessário, avançar na próxima legislatura para uma revisão da Constituição da República para combater a violência doméstica através de uma “abordagem judicial integrada”.

Na sua intervenção no final na Convenção Nacional do PS, que hoje aprovou o programa do partido, o líder socialista e primeiro-ministro afirmou que, “pessoalmente e como jurista”, não acredita que essa abordagem judicial integrada, que combine direito de família e direito criminal, implique qualquer inconstitucionalidade.

“Mas quero ser ainda mais claro: se isso é inconstitucional, aqui está uma boa razão para haver uma revisão extraordinária da Constituição para garantir essa abordagem judicial integrada. Porque, com toda a franqueza, se não é combater a violência doméstica, se não é acabar com a violência de género que justifica a revisão da Constituição, então o que justificará uma revisão constitucional?”, questionou.

Classificando a violência doméstica como “uma vergonha” para a sociedade, António Costa disse que o tema já foi “estudado e reestudado”.

“Hoje ninguém tem dúvidas que, para o combate com eficácia à violência doméstica, é absolutamente fundamental ter uma abordagem judicial integrada, que combine o direito da família com o direito criminal, e isso tem de ser feito de uma forma integrada”, justificou.


RECOMENDADOS PARA SI

Eventos este Mês

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

Últimos Tweets

Caminha Covid19: “Não estão reunidos os critérios que permitem a realização de testes à COVID 19 nos lares do conce… https://t.co/pYyYIoKJs5
Covid-19: Quase 89 mil mortos e mais de 1,5 milhões de infetados em todo o mundo https://t.co/Z5fcMHTZSF
Covid-19: Diretor do serviço de cirurgia e transplantação do Curry Cabral demitiu-se https://t.co/iiK8uUmo7o
Follow Jornal das Comunidades on Twitter