Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor.

Ministro da Defesa diz que se CEMGFA não concordasse com medidas já tinha saído

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

(Lusa) - O ministro da Defesa desdramatizou hoje as declarações do Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) sobre a falta de pessoal nas Forças Armadas e disse que se este não concordasse com as medidas do executivo já tinha saído.

“O CEMGFA conhece o seu papel, que reside no cumprimento das medidas [definidas]. Se ele chegasse à conclusão, que não chegou obviamente, que não pode cumprir essas medidas, então sairia. Mas não é essa a situação”, afirmou João Gomes Cravinho.

O governante falava aos jornalistas depois de o CEMGFA, numa entrevista à Rádio Renascença e ao jornal Público, se ter queixado da falta de recursos humanos, falando de uma "situação insustentável" nas Forças Armadas, com os militares ao serviço a fazerem um "esforço tremendo".

“Não há lugar para dramatismos, não há razão para dramatizar. Esta não é uma situação nova [a falta de militares]. O Governo está a trabalhar nesta situação, que é complexa”, disse Gomes Cravinho, exemplificando com o plano de profissionalização, o melhoramento no recrutamento e o plano setorial para a igualdade.

Sobre o plano setorial para a igualdade, João Gomes Cravinho disse ainda: “Não podemos queixar-nos que não temos suficientes militares e esquecermos o recrutamento das mulheres”.

O ministro, que falava numa iniciativa para assinalar o Dia Nacional da Doação de Órgão e da Transplantação, na Base Aérea do Montijo, sublinhou que o papel das Forças Armadas é o “empenhamento nos planos que estão a ser trabalhados”, frisando que a falta de pessoal é uma realidade com cinco anos.

Disse ainda que é uma questão que também afeta outros países europeus, insistindo que “Portugal já encetou medidas que urgem ser implementadas”.

“Em vez de nos preocuparmos em lastimarmo-nos devemos é deitar mãos à obra”, disse Gomes Cravinho, sublinhando que estes são assuntos que têm sido discutidos “nos fóruns próprios” pela tutela.


RECOMENDADOS PARA SI

Eventos este Mês

Últimos Tweets

Número de desempregados inscritos sobe 34,5% em agosto https://t.co/xto2uaAj3K
Caminha quer criação da Área Protegida Regional da Serra d’Arga https://t.co/iR924NDRqR
400 mil euros investidos na reabilitação do centro histórico de Caminha https://t.co/LU1GoPSdPv
Follow Jornal das Comunidades on Twitter