Parte 3
A Economia. Crescimento do PIB. Rendimentos

Para termos a verdadeira realidade do País, e porque estamos inseridos primeiro na União Europeia e depois na Zona Euro, é importante vermos não apenas a nossa posição face á média, até porque sendo uma média ponderada e construída,  tendo em atenção o peso de cada país no PIB total, seja da EU ou da Zona Euro, e sabendo-se que por exemplo a Alemanha, França, Itália e Reino Unido representam 62% do PIB total da UE. E, sabendo-se que estas grandes economias, até pela dimensão, crescem menos e agravado ainda pelo facto de a EU estar em processo de desaceleração do crescimento por mudança de ciclo económico, arrastam para baixo a média. Assim, falar em média é no mínimo enganador, pois dá a sensação profundamente errada da nossa realidade. Para melhor entendermos, fica aqui um quadro com os valores de crescimento do PIB e média quer da UE quer da Zona Euro onde veremos a nossa  real posição:

                                                                           PIB 2018    PIB 2019

Bélgica

1,4

1,3

Alemanha

1,5

1,1

Estónia

3,5

2,7

Irlanda

6,8

4,1

Grécia

2,0

2,1

Espanha

2,5

2,1

França

1,5

1,3

Itália

1,0

0,2

Chipre

3,8

3,3

Letónia

4,7

3,1

Lituânia

3,6

2,7

Luxemburgo

3,0

2,5

Malta

6,2

5,2

Holanda

2,5

1,7

Áustria

2,7

1,6

Portugal

2,1

1,7

Eslovénia

4,4

3,1

Eslováquia

4,2

4,1

Finlândia

2,5

1,9

EURO 19 Média

1,9

1,3

Bulgária

3,2

3,6

Rep Checa

2,9

2,9

Dinamarca

0,8

1,6

Croácia

2,8

2,7

Hungria

4,8

3,4

Polónia

5,1

3,5

Roménia

4,0

3,8

Suécia

2,2

1,3

Reino Unido

1,4

1,3

EU a 28

1,9

1,5

Em face destes números, a informação que António Costa passa de que estamos a crescer acima da média da UE e da Zona Euro é meia verdade, e,  a realidade de tão boa noticia desmorona-se ao vermos depois, que estamos de facto em  22º lugar na UE a 28 países e em 14º lugar na Zona Euro a 19 países, ou seja, estamos a disp utar o campeonato dos últimos.

 Quanto aos rendimentos, a melhor forma de fazer a comparação é analisando-os em face do PIB per capita. Assim, veremos no quadro abaixo  não só o posicionamento de Portugal Zona Euro como a sua evolução, desde 2015 a 2018 inclusive.

                                                              PIB per Capita

2015

2016

2017

2018

12-Chipre

12-Chipre

12-Eslovénia

12-Eslovénia

13-Portugal

13-Eslovénia

13-Chipre

13-Chipre

14-Eslovénia

14-Portugal

14-Eslováquia

14-Eslováquia

15-Eslováquia

15-Eslováquia

15-Portugal

15-Estónia

16-Lituânia

16-Lituânia

16-Estónia

16-Portugal

17-Estónia

17-Estónia

17-Lituânia

17-Lituãnia

18-Grécia

18-Grécia

18-Grécia

18-Grécia

19-Letónia

19-Letónia

19-Letónia

19-Letónia

 

Nos últimos anos temos  sistematicamente descido de posição passando do 13º lugar em 2015 para o 16º lugar em 2018. Fomos ultrapassados em 2003 pela Eslovénia, em 2007 pela Republica Checa, em 2010 por Malta e em 2018 pela Estónia, Eslováquia e Eslovénia.

Fica assim também desmontada, a narrativa do governo António Costa, quanto á recuperação de rendimentos.

Quanto ao Investimento Público e Investimento Total o desempenho de Portugal é também muito fraco. No que se refere ao Investimento Público situamo-nos em 27º lugar com 1,83 em % do PIB enquanto a média da Zona Euro é de 2,6. No Investimento Total Portugal fica também em 27º lugar com 16,59 quando a média da Zona Euro é 20,81 e para comparação a Irlanda ocupa o 7º lugar com 23,48 em % do PIB. Estes são números arrasadores e nada de muito bom perspetivam para o futuro de Portugal, que assim sendo, continuará a disputar o campeonato dos últimos correndo o sério risco de a prazo sermos mesmo os lanternas vermelhas da UE e da Zona Euro.

A título de curiosidade, o campeão do crescimento do PIB em democracia, foi Cavaco Silva em 1990 enquanto 1º Ministro com um crescimento de 7,86%. Antes do 25 Abril, chegamos a ter crescimentos PIB acima de 10% assim em 1962 com 10,53%, em 1971 com 10,49% e em 1972 com 10,39%.

 Fontes: INE, PORDATA, OCDE, EUSOTAT

Rogério Pires
Colaborador Convidado
Pode ler mais sobre este colaborador
Artigos deste Autor:

Pub