"Camarados"

ID:N°/ Artigo: 2534
Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Outrora revolucionário, Francisco Louçã aburguesou-se. Provou as migalhas de poder e gostou muito. Meteu o trotskismo na gaveta, ganhou aversão ao proletariado e deu a mão ao capital, que representa feito conselheiro no Banco de Portugal.

Esqueceu os desmandos igualitários da puberdade e adora ser tratado por "Professor". Comenta as crises do BE desde a sofisticada Sardenha e nas convenções do partido insulta os adversários, enquanto branqueia o pior da política nos próximos, esperançado de que ninguém note. Engana-se.

O sectário líder emérito da extremíssima-esquerda, apregoa que "o BE é a segurança contra o imenso e insidioso partido da corrupção, que vai dos submarinos aos vistos gold e às parcerias público-privadas". Deveria olhar para si e para os que sustenta por interesse no Governo. Cuspindo generalizações, tratando por igual pessoas sérias - a maioria - e quem eventualmente não seja, omitindo os pecados próprios e os de quem suporta apesar da derrota eleitoral, define-se.

Trata-se da mesmíssima pessoa que apoiou autarcas do BE, sem um reparo, quando envolvidos em investigações judiciais. Quem confrontado com a secreta propensão imobiliária e especulativa do Ricardo Robles, ungido combatente bloquista contra a "gentrificação", que afinal encarnava como ninguém, justificou os atos do vereador com a bondosa "solidariedade familiar" a que "tirava o chapéu", o valor milionário na venda do prédio reconvertido ao alojamento local que o partido supostamente combate, com a "pressão dos preços que todos conhecemos" e que se riu dos pedidos de demissão. O político que agora não nomeia os casos Freeport, Operação Marquês, Face Oculta, Parque Escolar, tanto mais, com a mesma ligeireza com que Ferro Rodrigues e António Costa diziam há meses que o combate à corrupção "está no ADN do PS". Beliscar os "compagnon de route" não pode ser.

Compreende-se. A convenção caviar também serviu para a confissão de que o BE quer ser Governo. Francisco Louçã inspirou-se na profundidade do boneco animado Buzz Lightyear, para ver o BE ir "ao infinito e mais além". Em conjunto, imaginam Mariana Mortágua ministra das Finanças e Catarina Martins de outra coisa qualquer.

Os bloquistas podem saudar-se como "camarados", dispostos a assassinar a língua portuguesa, para sublinhar proclamações de género ridículas. Reunir-se em "acampamentos", para defender a "desconstrução da masculinidade tóxica", que "a propriedade é o roubo", "o direito à boémia" e a "legalização de todas as drogas". Portugal, que não fez mal nenhum, é que não merece sacrificar-se em nome de um Governo de gente assim.

Pub

Nuno Melo
Author: Nuno Melo
Deputado europeu / Colaborador Convidado
Pode ler mais sobre este colaborador

Contactar o Autor via : Webmaster  Perfil: Info

Artigos deste Autor:

RECOMENDADOS PARA SI