Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor.

Participação e Recompensa

ID:N°/ Texto: 24134
Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Ocorreram este fim de semana as Eleições Comunais na Bélgica com números recorde de candidatos e de eleitos portugueses. Devemos dar os parabéns a todos quantos contribuíram para este momento de participação cívica da nossa comunidade, especialmente os que tiveram a coragem de integrar listas e de ir a votos.

A quantidade e qualidade destes nossos compatriotas, que decidiram lutar pelas ideias em que acreditam e tentar ser eleitos no país em que residem, deve ser recompensada, no mínimo, com o nosso reconhecimento. Devemos olhar para o seu exemplo e procurar colaborar para que este trabalho não seja desaproveitado.

Todavia, este número recorde de participações, em termos de candidatos e eleitos, não foi acompanhado por um aumento significativo no número de portugueses inscritos para votar. Especialmente no que diz respeito à percentagem de eleitores inscritos que, infelizmente, diminuiu em relação às últimas eleições de 2012. Mais uma vez, só se inscreveram para votar nestas eleições pouco mais de 10% dos portugueses residentes na Bélgica. Este é um problema que afeta a nossa comunidade e que, apesar dos esforços feitos para o combater, não se vislumbra de fácil resolução.

Durante a campanha, foi possível ouvir da parte de alguns portugueses os habituais refrões de quem desconfia da participação cívica no mundo político; “só aparecem quando querem alguma coisa”, “nunca se lembram de nós a não ser para votar”, “os políticos não querem saber das pessoas”, etc. Não querendo rebater nenhuma destas frases, gostava de perguntar o seguinte; onde estão os quase 90% de portugueses residentes na Bélgica, que nem sequer se inscrevem para participar numas eleições para o poder local? Eleições que têm influência direta no seu dia a dia e no da comunidade onde vivem?

Temos de acreditar que nenhum destes não inscritos pertence ao grupo dos que tão prontamente criticam aqueles que têm coragem para ir a votos e defender as suas ideias. Quem participa merece ver aquilo em que acredita tornar-se realidade mas, de igual modo, quem não vota não pode esperar a recompensa de ver as suas necessidades atendidas tão rapidamente como as daqueles que o fizeram. As comunidades mais participativas terão sempre mais atenção por parte dos eleitos.

Esta relação entre participação e recompensa, não deve ser nunca encarada como um fim em si mesmo - até porque acredito que todos quantos participaram nestas eleições o fizeram por acreditarem naquilo que defendem e não por estarem em busca de uma qualquer improvável recompensa - mas tem de ser tida em conta no que diz respeito à participação da nossa comunidade na vida política local. Não podemos esperar ser ouvidos e ter uma representação efetiva onde vivemos se não participamos e nem de 6 em 6 anos conseguimos fazer um pequeno esforço para fazer ouvir as nossas opiniões.

Pub


RECOMENDADOS PARA SI

Eventos este Mês

Últimos Tweets

Homem desaparecido na praia das Furnas em Vila do Bispo após complicações no mar https://t.co/PLTU4lzQOj
Detido homem suspeito de matar mulher em Sesimbra https://t.co/i8MMAbbjwy
Bispo de Viana do Castelo morre em despiste na A2 em Almodôvar https://t.co/Ki44W3qhR7
Follow Jornal das Comunidades on Twitter