Colocámos cookies no seu computador para melhorar a sua experiência no website. Ao utilizar o site, está a concordar com o seu uso. Ler mais

Lusoproductions  has placed cookies on your computer to help improve this site. By using this site, you are consenting to its usage. Ler mais

Os dramáticos episódios da semana Santa, na Paixão e morte do Salvador, estimularam, para além das emoções, propósitos que se relacionam com a dor, a doença, o sofrimento humano, a morte e sobretudo a vida! Aquele que suou sangue, que duvidou e teve medo, que sofreu a infâmia morte na cruz, é o Senhor da Vida, em quem podemos confiar perdidamente! Porque Ele é a imagem dos que sofrem e dos que são perseguidos em Seu nome; dos excluídos e explorados; dos doentes e dos que suportam a dor com resignação; das vítimas da guerra e da fome; dos oprimidos e desesperados; e de todos os que andam atormentados… A falta de regras e de orientação leva muitos à guilhotina do desespero.

Neste nosso mundo, perpassado por uma onda de racionalismo, nesta sociedade que contraria a transcendência, reflecte-se, como não podia deixar de ser, uma estranha angústia. E nem o avanço científico, deveras impressionante e a tecnologia de ponta que cria novas necessidades consumistas, não preenchem o vazio do coração humano. Ambos têm sido aproveitados para criar uma desesperante cultura de morte; foi-se criando uma mentalidade materialista redutora do humano. Entulhamos a alma de coisas na medida em que esvaziamos o coração de Deus; valerá a pena sacrificar a vida para salvar coisas? No meio de tudo isto, ainda há quem julgue que a morte é o ponto final da existência! Seríamos as mais infelizes criaturas se a nossa meta fosse o túmulo! “Onde está, ó morte a tua vitória”?

Tornou-se urgente parar, refletir, hierarquizar valores. Somos devorados pela vertigem da pressa e do egoísmo que nos fustiga; pensamos, habitualmente, pelos meios de comunicação social, invertemos, com desastrosas consequências, os verdadeiros valores. Desligamos, com tanta facilidade, relações e amizades antigas; incluindo os vários graus de parentesco! Gente de costas voltadas, de mal com a vida, carregando fardos inúteis! Desbaratam-se assim ocasiões de encontro fraterno e de partilha, que mais tarde se deploram amargamente! Este é um tempo propício à reconsideração e reparo; ocasião de aproximar e unir… Não se pode ter uma “Páscoa feliz”, com o coração empedernido. Desfaçamos as amarras que nos agrilhoam a alma e nos roubam a faculdade de ser felizes. Vivamos com júbilo, a festa magna da fraternidade e da comunhão fraterna, no supremo louvor de uma “Páscoa muito Feliz”!



©António Luís Rodrigues Fernandes
aferpresswrite@gmail.com

Conecte-se

Se deseja inscrever-se na nossa newsletter, Digite seu endereço de e-mail.