NOTA! Luso.eu usa cookies e tecnologias similares. Se você não alterar as configurações do navegador, você concorda com isso.

Saiba mais aqui

Compreendi

Presidente de junta ACUSADO DE AMEAÇAR VICE-PRESIDENTE DA CÂMARA de Caminha

Votos do utilizador: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Os factos aconteceram na passada sexta-feira, no dia 27 de Outubro, o presidente da Junta de Freguesia de Vila Praia de Âncora deslocou-se à Câmara Municipal de Caminha para falar com o líder deste executivo, mas não se encontrando o mesmo foi recebido pelo vice-presidente, Guilherme Lagido.

Segundo comunicado vinculado pelo município «Carlos Castro pretendia ser recebido pelo presidente da Câmara, que estava ausente em serviço. Foi recebido pelo vice-presidente, Guilherme Lagido Domingos, a quem acabou por ameaçar com uma faca, que trazia à ilharga, encoberta debaixo do vestuário».

No referido documento é também assinalado que « Carlos Castro proferiu também ameaças verbais contra o vice-presidente e contra o Executivo».
Segundo se sabe os acontecimentos foram testemunhados por funcionários da edilidade e esta vai apresentar uma queixa-crime junto do Ministério Público.
Por sua vez, o presidente da Junta de Freguesia de Vila Praia de Âncora mostrou-se surpreendido com a acusação.

Em declarações a um jornal nacional Carlos Castro avançou com uma outra versão dos factos, isto é, que se terá dirigido à câmara para « tirar satisfações sobre a retirada pela EDP de uma iluminação decorativa “no valor de 40 mil euros” do espaço público em Vila Praia de Âncora, alegadamente com autorização camarária. “O presidente não estava, fui falar com o senhor Vereador (e vice-presidente), que me disse que não sabia de nada.

Eu disse que a EDP tinha dito que a Câmara tinha conhecimento e ele perguntou-me se eu o estava a chamar de mentiroso e disse-me para ter cuidado que eu e a minha mulher somos funcionários da Câmara. Perguntei-lhe: Está a ameaçar a minha família, não seja tolo. Virei costas, vim-me embora. Tinha uma caneta branca na mão, agora uma faca?”».

Por outro lado, a concelhia do Partido Social Democrata já apelidou, em comunicado, o acontecimento como «perseguição política»e demonstrou a sua « profunda consternação pelo comportamento da Autarquia Caminhense, liderada pelo Partido Socialista, quanto a este agir de infâmia».

      « Carlos Castro é um homem de honra, a quem lhe reconhecemos um carácter honesto, transparente e pacífico.
      Pelo que lamentamos esta atitude circense por parte dos responsáveis políticos do município de Caminha, da qual se alvitram apenas pretensões de achincalhamento e perseguição política.

      Para Carlos Castro,  Vila Praia de Âncora esteve sempre primeiro e isto nunca foi do agrado do actual executivo», é, ainda, referido na nota dos sociais-democratas.

Pub




Últimos Tweets

Encontro com Talentos do Concelho https://t.co/w5EPLHDVnB
Dois mortos no incêndio em cobertura de prédio na Baixa de Lisboa https://t.co/SIDH0ZWJRM
Pedrógão Grande: Presidente do Revita não teve queixas mas vai avaliar denúncias https://t.co/SQqd6oCVw0
Follow Luso.be - Bélgica on Twitter