Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor.

Restrições ao trânsito automóvel na Baixa de Lisboa adiadas - Medina

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

(Lusa) - As restrições à circulação automóvel na Zona de Emissões Reduzidas (ZER) da Baixa de Lisboa, inicialmente previstas para este verão, vão ser adiadas, anunciou hoje o presidente da câmara.

Fernando Medina falava numa conferência de imprensa destinada a apresentar medidas de promoção da mobilidade ativa e de transformação do espaço público, na qual avançou a criação de 95 quilómetros de ciclovias até ao fim do próximo ano.

Questionado pelos jornalistas sobre a ZER Avenidas/Baixa-Chiado, anunciada no final de janeiro, o presidente da autarquia (PS) informou que vai propor à câmara uma “recalendarização” relativa ao desenvolvimento do projeto, que contempla restrições ao trânsito automóvel, bem como intervenções no espaço público, com a criação de mais ciclovias e área pedonal.

Medina vai propor “a execução, desde já, das obras de espaço público e rede ciclável” definidas no programa apresentado pela câmara e a aquisição “dos meios e dos recursos necessários à plena introdução da zona de emissões reduzidas”, como os pórticos e os limitadores.

“Mas vou propor também que a entrada de funcionamento da zona de emissões reduzidas na dimensão da limitação da circulação automóvel, que estava prevista que ocorresse agora, que seja avaliada a sua data num momento posterior”, afirmou, sem adiantar datas.

“E faço isto com a consciência de que é a solução mais razoável mais ponderada para todos os comerciantes, todos os residentes que vivem, que habitam, que procuram a baixa da cidade de lisboa”, frisou, justificando que “muitos trabalhadores ainda estão em casa, muitos ainda estão em ‘lay-off’ e não sabem como será o regresso da sua vida”.

“Nós não queremos ser é mais um fator de dificuldade, de perturbação sobre uma vida que neste momento está muito alterada”, reforçou o presidente da Câmara de Lisboa.

Fernando Medina salientou, porém, que “o projeto é da “maior importância” e, apesar do adiamento, garantiu que “será levado até ao fim”.

Em janeiro, quando a Câmara de Lisboa anunciou a nova Zona de Emissões Reduzidas (ZER) Avenidas/Baixa-Chiado, na qual o trânsito automóvel passará a ser exclusivo para residentes, portadores de dístico e veículos autorizados, entre as 06:30 e as 00:00, estava previsto que o plano fosse apresentado à comunidade e aos comerciantes em fevereiro e aprovado pela autarquia em março, de modo a ser enviado para um período de consulta pública.

Estava ainda previsto que, a partir de 01 maio, os cidadãos pudessem efetuar o registo para a obtenção dos dísticos e a "efetiva fiscalização e controlo de acesso entre julho e agosto".

Na conferência de imprensa de hoje, o presidente da autarquia adiantou que estão em estudo um total de 100 intervenções no espaço público, algumas das quais previstas na ZER e que implicam a supressão de vias de trânsito automóvel.

 O município pretende criar mais espaço para os peões, alargando passeios e permitindo o distanciamento social recomendado, instalação de mobiliário urbano e apostar também na redução de velocidade em ruas residenciais. 

Na envolvente do Mercado de Arroios, por exemplo, a câmara quer aumentar passeios junto aos restaurantes, retirando lugares de estacionamento e dotando as ruas com mais espaço para os peões, lê-se na informação disponibilizada pela autarquia lisboeta.

As intervenções, algumas das quais temporárias, estão a ser trabalhadas em conjunto com as juntas de freguesia e serão sujeitas a um período de consulta pública, referiu ainda Fernando Medina.

Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor.

 


RECOMENDADOS PARA SI

Eventos este Mês

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Últimos Tweets

Prémio internacional para atividades do Dia Mundial do Sono 2020 https://t.co/Mf3sPY6R3p
Covid-19: Índia ultrapassa a Rússia e torna-se no terceiro país com mais casos https://t.co/RL7HDtXlxx
Covid-19: Instituições portuguesas na Argentina entram no combate à pandemia https://t.co/lY0mBRmWfA
Follow Jornal das Comunidades on Twitter