Óbito/Chirac: Ramalho Eanes relembra homem "com grande capacidade de liderança"

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

(Lusa) - Ramalho Eanes, antigo Presidente da República portuguesa, esteve hoje em Paris nas cerimónias fúnebres do ex-chefe de Estado francês Jacques Chirac e lembrou as suas qualidades como a capacidade liderança, assim como a sua proximidade à comunidade portuguesa.

"[Lembro-me de] Um homem com uma vontade de afirmação muito grande, creio que isso mesmo o levou a voluntariar-se para a Guerra da Argélia, podia não ter ido. Era um homem extremamente determinado e com uma grande capacidade de liderança que o levou a ser braço direito de Pompidou", disse o antigo chefe de Estado português, em declarações aos jornalistas, no final da cerimónia na igreja de Saint Sulpice, na capital francesa.

Ramalho Eanes deslocou-se a Paris a pedido de Marcelo Rebelo de Sousa para representar Portugal nas exéquias fúnebres de Jacques Chirac que decorreram esta segunda-feira de manhã e que juntaram vários líderes mundiais como Vladimir Putin, mas também o antigo presidente norte-americano Bill Clinton e o rei Abdallah II da Jordânia.

O antigo Presidente recordou um encontro com o líder francês quando ainda estava em funções e Chirac era presidente da Câmara de Paris.

"O que guardo mais é o seu papel como prefeito de Paris. Em 1979, visitei Paris e estive com ele num almoço que ele ofereceu. Ouvi-o falar dos portugueses de uma maneira muito elogiosa e numa reunião que tive com os portugueses tive ocasião de perguntar que tal era o autarca e todos diziam que era um indivíduo extraordinário", recordou Eanes.

As posições de Chirac como a recusa da entrada na Guerra do Iraque foram enaltecidas pelo antigo chefe de Estado português, para quem o seu homólogo francês marcou uma divisão na V República francesa, entre uma república "monárquica" e uma república mais popular.

Sobre a política em França, Ramalho Eanes considerou que a esquerda "está numa situação difícil" e que "a direita também está", relembrando o confronto entre Chirac e Le Pen na segunda volta das eleições de 2002.

"Não nos podemos esquecer que nas eleições de 2002, ele [Chirac] foi à segunda volta com Le Pen, o que é uma coisa extraordinária. Na altura, teve uma atitude que é democraticamente correta e intransigente. Não quis debates com o outro senhor, porque entendia que os debates eram estar a conferir uma situação de legitimidade entre ele, que defendia a democracia, e Le Pen, que defendia coisas muito diferentes", afirmou.

As cerimónias desta manhã aconteceram com honras de Estado, com a presença do Presidente Emmanuel Macron e todos os outros presidente da República francesa ainda vivos: Valéry Giscard d'Estaing, Nicolas Sarkozy e François Hollande.

O enterro de Jacques Chirac vai decorrer no cemitério de Montparnasse durante a tarde, numa cerimónia reservada apenas à família. Jacques Chirac foi Presidente de França entre 1995 e 2007 e morreu na semana passada aos 86 anos.


RECOMENDADOS PARA SI

Eventos este Mês

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
5
6
12
13
19
20
26
27
31

Últimos Tweets

Novo livro sobre Gérald Bloncourt e o nascimento da democracia portuguesa em Fafe https://t.co/omMOquth0N
Miguel Alves constituído arguido na operação éter https://t.co/QxTxa7XE7r
ARROZ DE SARRABULHO REUNIU 700 APRECIADORES EM FRANÇA! https://t.co/LzDWgSVYvX
Follow Jornal das Comunidades on Twitter