(Lusa) - Quatro pessoas morreram durante dois ataques a acampamentos de agricultores em zonas remotas do norte de Moçambique, disseram hoje à Lusa fontes locais.

Um ataque foi feito por quatro pessoas, armadas com metralhadoras e catanas, contra um acampamento em Natchunde, distrito de Mocímboa da Praia.

Outro ataque aconteceu na última madrugada, em Njana, no mesmo distrito, quando um grupo de quatro homens, um dos quais com metralhadora, deitou fogo a um acampamento e uma pessoa morreu carbonizada, referiram as mesmas fontes.

Os alvos foram "acampamentos de produção", acrescentaram, ou seja, locais onde habitantes de povoações vizinhas se agrupam para residir temporariamente enquanto trabalham campos agrícolas nas imediações.

Não se sabe quem foram os autores destes ataques, mas suspeita-se que estejam ligados aos mesmos grupos responsáveis por outras investidas, que se intensificaram desde o início de novembro, provocando, pelo menos, 20 mortes, só no último mês.

Desde há um ano, segundo números oficiais, já terão morrido cerca de 100 pessoas, entre residentes, supostos agressores e elementos das forças de segurança.

Esta onda de violência em Cabo Delgado (2.000 quilómetros a norte de Maputo, no extremo norte de Moçambique, junto à Tanzânia) eclodiu após um ataque armado a postos de polícia de Mocímboa da Praia, em outubro de 2017.

Na altura, dois agentes foram abatidos por um grupo com origem numa mesquita local que pregava a insurgência contra o Estado e cujos hábitos motivavam atritos com os residentes, pelo menos, desde há dois anos.

Depois de Mocímboa da Praia, têm ocorrido vários ataques que se suspeita estarem relacionados com o mesmo tipo de grupo, sempre longe do asfalto e fora da zona de implantação da fábrica e outras infraestruturas das empresas petrolíferas que vão explorar gás natural, na península de Afungi, distrito de Palma, na região.

Pub