Costa quer “confrontar” diferentes visões sobre o modelo futuro da Europa





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


(Lusa) - O primeiro-ministro defendeu hoje que a presidência portuguesa do Conselho da União Europeia deixou várias "sementes", uma das quais para um profundo debate em que se confrontem as diferentes visões sobre o modelo futuro da Europa.

Esta posição foi transmitida por António Costa no discurso que encerrou a sessão pública de balanço dos seis meses de presidência portuguesa, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, após intervenções da secretária de Estado dos Assuntos Europeus, Ana Paula Zacarias, e do ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva.

Com vários membros do Governo sentados nas primeiras filas da plateia, o primeiro-ministro considerou que a presidência portuguesa deixou pelo menos quatro sementes, desde o debate sobre a governação económica da Europa, o plano para a dimensão social e a abertura ao exterior da União Europeia em contraponto com uma perspetiva protecionista.

Mas foi no capítulo da conferência sobre o futuro da Europa que o líder do executivo português deixou mais avisos.

"Espero que não seja um debate entre Estados-membros, um debate sobre instituições, mas que esteja centrado nas aspirações dos europeus. Temos de nos centrar no debate sobre o futuro da Europa, porque, com franqueza, é necessário confrontar as diferentes visões que hoje existem no seio da União Europeia", advogou.

De acordo com o primeiro-ministro, "não vale a pena iludir fingindo que não há dúvidas sobre o que deve ser a União".

"Alguns, verdadeiramente, gostariam que a UE não fosse União, mas que fosse algo que já foi e deixou de ser, limitando-se a um mercado interno que gerasse maior valor acrescentado do ponto de vista interno e ponto final. Hoje a União Europeia é muito mais do que isso", frisou António Costa.

A quarta presidência portuguesa da União Europeia terminou em 30 de junho, passando o testemunho à Eslovénia à frente do Conselho da UE nos próximos seis meses.

O semestre português foi encerrado, na quarta-feira, com a Cimeira da Recuperação, organizada pelo Ministério das Finanças e que juntou em Lisboa ministros europeus, comissários, eurodeputados e especialistas para debater a reforma da economia europeia após a pandemia de covid-19 e o modelo de governação económica da UE.

Luso.eu - Jornal das comunidades
Redacção
Author: RedacçãoEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!