Requalificação e ampliação da Escola Básica e Secundária de Caminha é já uma realidade!





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


Foi hoje inaugurada com a presença do ministro da educação Tiago Brandão Rodrigues  a obra de requalificação e ampliação da Escola Sidónio Pais de Caminha, uma obra que rondou os 3,5 milhões de euros. Este investimento foi suportado pelo Ministério da Educação, pela autarquia e financiado pelo Programa Operacional Regional NORTE 2020.

A requalificação da escola, situada num terreno 22.340 metros quadrados, na freguesia de Vilarelho, “chegou a estar prevista pela empresa Parque Escolar, mas com o abandono da estratégia delineada pelo Governo de então, acabou por não beneficiar da intervenção”, sublinha uma nota da Câmara Municipal de Caminha.

Agora é uma nova escola que nasceu através de um projecto do arquitecto Fernando Borlido. A obra permitiu reabilitar os edifícios existentes, respeitando a estrutura original, restaurando os revestimentos interiores, substituindo caixilharias e cobertura, entre outros aspectos . A Escola Básica e Secundária de Caminha “foi ampliada, sem prejuízo dos espaços ao ar livre”, e dotada de mais salas de aula, sendo duas delas laboratórios, “garantindo-se um conjunto funcional, moderno e sustentável, onde a comunidade escolar encontra agora condições de conforto facilitadoras do ensino e da aprendizagem”.

O PSD de Caminha congratolou-se com a obra afirmando que “todas as obras que sirvam o bem da nossa população são bem-vindas”. Mas, recordam que “as verbas para estes projetos de requalificações das escolas vieram dum investimento previsto pelo Governo de Passos Coelho, quando negociou com Bruxelas, no âmbito do Portugal 2020, um pacote específico para tal fim. Estas obras foram comparticipadas pela União Europeia em 85% , conforme acordado e deveriam ter sido financiadas em 15% pelo Estado uma vez que as escolas eram da sua total responsabilidade. Contrariamente ao acordado em 2014, o PS empurra parte da responsabilidade para os municípios e exige 7,5 % deste financiamento, só suportando o restante”.

Luso.eu - Jornal das comunidades
Isabel Varela
Author: Isabel VarelaEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!