terça-feira, 07 fevereiro 2023

A lama dos dias

Fev. 02, 2023 Hits:279 Crónicas

DIGNIFICAR A AUTORIDADE

Fev. 01, 2023 Hits:130 Crónicas

Homoousios

Jan. 31, 2023 Hits:160 Crónicas

O Escorpião Marcelo

Jan. 31, 2023 Hits:107 Opinião

Insuspeito assassino

Jan. 27, 2023 Hits:205 Crónicas

Isto não é um país É …

Jan. 20, 2023 Hits:489 Opinião

A Importância da Educaç…

Jan. 19, 2023 Hits:1880 Crónicas

Epistocracia - O óptimo …

Jan. 15, 2023 Hits:1022 Opinião

No Palácio do Raio

Jan. 15, 2023 Hits:438 Apontamentos

Que acusações recaem sobre Miguel Alves?





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


Caminha: Ontem ao início da noite televisões e jornais anunciavam a demissão do secretário adjunto do primeiro-ministro português, Miguel Alves, que desde que assumiu o cargo, à cerca de 2 meses estava envolvido numa série de polémicas.

Ontem o ministério público acusava o socialista de prevaricação no âmbito de uma certidão extraída da Operação Teia.

O Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) Regional do Porto acusa o socialista Miguel Alves de ter beneficiado ilicitamente a empresa Make it Happen de Manuela Couto, mulher de Joaquim Couto, na contratação de serviços de comunicação e de marketing num total de cerca de 44 mil euros e através de dois contratos.

“Conduzindo e provocando o procedimento, concertando preço e a forma de pagamento daquele contrato com Manuela Couto e determinando os serviços da Câmara Municipal de Caminha a adequarem o procedimento àquele plano que previamente ambos delinearam”, agiu o arguido Miguel Alves de forma a “violar as normas de contratação pública sobre aquisição de serviços que bem conhecia que estava obrigado a respeitar”, lê-se no despacho de acusação a que o Observador teve acesso.

O DIAP de Regional do Porto acusa Miguel Alves de ter provocado “a necessidade de contratar os serviços de assessoria de comunicação de marketing” e de ter criado um procedimento à medida da empresa de Manuela Couto.

O inquérito contra Miguel Alves começou por causa de uma denúncia anónima entrada a 3 de Julho de 2019 no DIAP Regional do Porto. Mais tarde surgiria uma segunda denúncia na Polícia Judiciária. As denúncias tinham o mesmo objeto: os dois contratos com Manuela Couto através da Make It Happen.

As mesmas denúncias, segundo o despacho de acusação, teriam como objetivo a prestação de serviços fictícios com o fim de constituir “um saco azul para o pagamento de promessas eleitorais e serviços prestados em campanha eleitoral”, lê-se no despacho de acusação.

Este caso nada tem a ver com o centro de exposições transfronteiriço de Caminha onde o acordo feito por Miguel Alves, na qualidade de presidente da Câmara de Caminha, e um empresário para a construção de um centro de exposições. Neste caso, o governante foi politicamente responsável por adiantar 300 mil euros a uma empresa para a construção do tal centro — que ainda não existe. Miguel Alves entregou 300 mil euros a empresa com oito meses e sem funcionários

Mas, também neste processo o Ministério Público decidiu abrir um inquérito ao ex-secretário de Estado, Miguel Alves.

Recordar, ainda, que desde 2019 que Miguel Alves está na lista de arguidos da Operação Éter, em que à volta de Melchior Moreira, ex-presidente do Turismo do Porto e do Norte, o Ministério Público investiga contratos ilícitos e crimes de corrupção e abuso de poder com autarcas socialistas.

A vereadora na câmara municipal de Caminha eleita pela coligação o concelho em primeiro, Liliana Silva, reagiu à demissão do secretário adjunto afirmando que “a forma como geriu o dinheiro público nesta questão do Cet, não são compatíveis com funções de Governo. Assim como não são com as funções de autarca. E o presidente Rui Lages, atual, manteve a estratégia e o vazio de explicações. Deixo agora a discussão para a Assembleia Municipal extraordinária, agendada para o dia 17 de novembro pelas 21h no teatro Valadares”. Numa reflexão esta vereadora ainda acrescentou que “o Município é a casa de todos os caminhenses. A câmara não é a "quinta de alguém". Nunca deixei de acreditar que

a verdade suplanta a mentira. A honestidade é mais valorizada que a chico - espertice. O bem comum suplanta o "umbiguismo"Caminha é grande demais para ser reduzida a território de um homem só”.

Luso.eu - Jornal das comunidades
Isabel Varela
Author: Isabel VarelaEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 686  pessoas que estão a ver esta página no momento, e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?