domingo, 25 setembro 2022

OS TEMPOS DAS CIDADES

Set. 19, 2022 Hits:96 Crónicas

Quem vai pagar impostos?

Set. 19, 2022 Hits:83 Opinião

Os robots não devem paga…

Set. 18, 2022 Hits:103 Opinião

Paternalismo

Set. 14, 2022 Hits:80 Crónicas

A BICICLETA DOS ANJOS

Set. 12, 2022 Hits:61 Crónicas

UM CIMBALINO SE FAZ FAVOR

Set. 10, 2022 Hits:333 Crónicas

O aroma do café no ar

Set. 05, 2022 Hits:76 Crónicas

Rota dos Registos Civis

Set. 04, 2022 Hits:218 Opinião

Espanto e Vergonha

Ago. 28, 2022 Hits:126 Opinião

Incêndios: A28 reaberta ao trânsito em Caminha após corte de mais de cinco horas





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


A autoestrada 28 (A28) foi reaberta ao trânsito pelas 21:35 de hoje, em Caminha, após estar cortada mais de cinco horas devido a um incêndio que começou em Vilar de Mouros, adiantou a GNR de Viana do Castelo.

A A28 esteve cortada desde cerca das 16:00.

O fogo que começou em Vilar de Mouros passou para Lanhelas e chegou ao concelho vizinho de Vila Nova de Cerveira, disse o presidente da Câmara.

Em declarações hoje à agência Lusa, o presidente socialista Miguel Alves disse que, “neste momento, a preocupação é o lugar de Couto, na freguesia de Lanhelas”.

“Não por estar em cima das casas, mas por estar no cimo da encosta que leva à povoação e não há maneira de entrar na floresta naquele declive. Temos de esperar. O mais angustiante é ter de dizer às pessoas que temos de esperar. Estão no terreno todos os homens e meios que podem estar”, adiantou.

O autarca de Caminha referiu que “em Vila Nova de Cerveira o fogo avança com força e velocidade impressionante em zona florestal, no monte de Goios”.

“Vai levar algum tempo a combater este fogo porque não vejo como se possa travar com os meios terrestres”, especificou.

Miguel Alves referiu que durante a tarde, em Caminha “houve casas em risco no lugar de Ranha e em Vilar de Mouros, mas foi criada, pelos bombeiros, uma cintura de proteção que impediu o pior”.

Cerca das 15:30 uma empresa de pirotecnia “também esteve em risco, mas com o apoio da cisterna da Junta de Freguesia de Lanhelas e dos Bombeiros de Caminha foi possível travar as chamas”.

“É preciso sublinhar que a limpeza que o proprietário fez na envolvente da empresa foi determinante para travar o fogo até que os meios de combate chegassem ao local”, apontou.

Segundo Miguel Alves, “o primeiro foco em Vilar de Mouros foi prontamente extinto pelos sapadores municipais e tivemos logo o apoio das cisternas da Junta de Freguesia de Vilar de Mouros”.

Logo que esse fogo foi extinto surgiram outros focos, noutras zonas, não muito longe e o mesmo aconteceu ao longo do desenvolvimento do fogo, foram aparecendo focos. Não sei o que se passou

De acordo com informação disponível na página da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil, às 18:42, o fogo estava a ser combatido por 112 operacionais, apoiados por 29 viaturas.

Portugal continental está em situação de contingência até às 23:59 de sexta-feira devido às previsões meteorológicas, que apontam para o agravamento do risco de incêndio, com temperaturas que podem ultrapassar os 45º em algumas partes do país.

Luso.eu - Jornal das comunidades
Tony Da Silva
Author: Tony Da SilvaEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 1030 visitantes e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?