terça-feira, 16 agosto 2022

(ENGIE)nharia jurídica

Ago. 13, 2022 Hits:66 Opinião

O REI DOS CATALISADORES (…

Ago. 09, 2022 Hits:106 Opinião

A IGREJA QUE NÃO ACREDIT…

Ago. 08, 2022 Hits:414 Opinião

Consequências do Dever

Ago. 08, 2022 Hits:103 Crónicas

A Sombra e as Árvores

Ago. 07, 2022 Hits:294 Crónicas

Pai rico, Pai pobre

Ago. 04, 2022 Hits:234 Crónicas

DA LEITURA

Ago. 02, 2022 Hits:102 Crónicas

Enquanto o pau vai e vem

Jul. 31, 2022 Hits:108 Crónicas

É PROIBIDO NASCER EM AGO…

Jul. 29, 2022 Hits:696 Opinião

Covid-19: PR sugere futura adaptação do regime constitucional e legal a situações de pandemia





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


(Lusa) - O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou hoje que o regime constitucional e legal português não foi pensado para situações de pandemia e sugeriu hoje que no futuro terá de ser adaptado.

O chefe de Estado falava aos jornalistas no Palácio de Belém, em Lisboa, a propósito das dúvidas jurídicas sobre medidas restritivas de direitos que têm sido adotadas pelo Governo no atual contexto de pandemia de covid-19, como a restrição de circulação entre concelhos.

"Eu sei que há uma preocupação, que eu também tenho, obviamente, não fosse jurista e professor de Direito Constitucional, que é de ir enquadrando as várias medidas naquilo que temos de regime constitucional e legal, que não foi pensado para isso. Não foi. E não houve tempo para o alterar", afirmou.

Marcelo Rebelo de Sousa referiu que entretanto "podia ter havido, por iniciativa de algum partido político em matéria de revisão da Constituição ou de revisão da lei nestes meses, a introdução de ajustamentos", mas "a pandemia continuava e, portanto, no meio da pandemia não houve essa oportunidade".

"No futuro se verá como é que se adapta o que temos para situações tão específicas como uma pandemia", acrescentou.

O Presidente da República defendeu que "neste quadro, houve que utilizar os instrumentos, as ferramentas" disponíveis, e "nuns casos os juristas entendem que foram utilizadas com mais propósito, noutros com menos propósito, numas com maior cabimento, noutros com menor cabimento".

"Em qualquer caso, como sabem, a decisão final é dos tribunais", realçou o chefe de Estado.

No seu entender, contudo, "em plena pandemia não é por acaso que não houve muito recurso a tribunal, porque as pessoas sentiram que havia razões de urgência e de premência que acabavam por justificar as medidas".

Segundo o Presidente da República, "o Governo ponderará todas essas observações e tentará encontrar o caminho".

"É bom que os portugueses percebam que nós estamos atentos a esses problemas. Estamos. Tentando enquadrar as medidas que é preciso tomar nos esquemas que existem. E, por outro lado, sem muito tempo", declarou.

Luso.eu - Jornal das comunidades
Redacção
Author: RedacçãoEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 1534 visitantes e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?