Faça login na sua conta

Usuário *
Senha *
Lembre de mim

Crie a sua conta aqui!

Os campos marcados com um asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Usuário *
Senha *
Verifique a senha *
Email *
Verificar e-mail *
Captcha *
Reload Captcha
domingo, 05 dezembro 2021

Por favor habilite seu javascript para enviar este formulário

Sondagem

Os vacinados devem ter prioridade no acesso aos cuidados de saúde em relação aos não vacinados?
  • Votes: (0%)
  • Votes: (0%)
  • Votes: (0%)
Total Votes:
First Vote:
Last Vote:

Covid-19: Conselho de Ministros decide hoje novas medidas para controlar a pandemia



O luso.eu Jornal das comunidades é gratuito mas quero ajudar!

(Lusa) - O Conselho de Ministros reúne-se hoje para decretar “ações imediatas” de controlo da pandemia, um dia depois de o primeiro-ministro ter recebido os partidos com assento parlamentar com vista a um consenso sobre estas decisões.

Perante o agravamento da situação a nível nacional, o primeiro-ministro reuniu-se sexta-feira com os partidos com assento parlamentar, enquanto o ministro da Economia recebeu os parceiros sociais sobre as possíveis medidas de contenção.

"Não excluímos à partida nenhuma medida possível, mas entendemos que devemos adotar as medidas que perturbem o mínimo possível a vida pessoal, social e económica. Devemos ter em conta um segundo elemento que tenho procurado transmitir: Estamos perante uma corrida de longo curso e, portanto, não podemos gastar todo o esforço nem todas as medidas nos primeiros momentos", disse na quinta-feira António Costa.

A reunião extraordinária do Conselho de Ministros, que começa às 10:00, no Palácio da Ajuda, realiza-se um dia depois de o país ter ultrapassado os recordes desde o início da pandemia covid-19 com o registo de 40 mortos, 4.656 infetados e 1.927 doentes internados, 275 dos quais em cuidados intensivos, segundo a Direção-Geral da Saúde.

Em cima da mesa para discussão estarão várias possibilidades, entre as quais o recolhimento obrigatório e o alargamento das restrições impostas em Paços de Ferreira, Felgueiras e Lousada a mais municípios, segundo adiantou, na sexta-feira, o ministro da Economia, Siza Vieira, que recusou um confinamento geral.

Segundo o PAN, o Governo pondera decretar um confinamento geral mas apenas na primeira quinzena de dezembro, para preservar o período de Natal. Contudo, o dirigente do PAN André Silva adiantou que essa medida não foi apresentada como sendo certa e frisou que requer vigência do estado de emergência.

De acordo com o líder da Iniciativa Liberal, Cotrim Figueiredo, o Governo admitiu na audiência de sexta-feira a possibilidade ser imposto o recolher obrigatório em concelhos em que a taxa de incidência atinja os 240 por cem mil habitantes.

Pelo PSD, Rui Rio alertou que a situação atual é “ainda mais grave” do que a verificada em março e disse que o país não viverá um confinamento geral porque a economia do país não o permite. O PSD, disse, estará sempre “do lado da solução", caso o Governo proponha um novo estado de emergência.

Já a coordenadora do BE, Catarina Martins, afastou para já a necessidade de um novo estado de emergência, defendendo que o Governo deve utilizar toda a capacidade instalada na saúde, se necessário recorrendo à requisição civil dos setores privado e social.

O PCP, pela voz do secretário-geral, Jerónimo de Sousa, apontou que o executivo liderado por António Costa deve tomar medidas “proporcionais” e com “pedagogia”, avisando que não se pode transformar um problema de saúde “num caso de polícia”.

Entre os partidos recebidos pelo primeiro-ministro na sexta-feira, o PEV defendeu que será contra qualquer medida que atente contra os direitos, liberdades e garantias dos cidadãos e, sobre a possibilidade de ser decretado novo estado de emergência, advertiu que "é necessário mais pedagogia, mais campanha e mais esforço" em matéria de qualidade de vida dos portugueses.

Pelo Chega, partido que entregou junto do Tribunal Administrativo do Círculo de Lisboa uma "intimação para a defesa de direitos, liberdades e garantias" contra a proibição de circulaçao entre concelhos no território nacional, (que vigora desde hoje até ás 06:00 do dia 03 de novembro), André Ventura criticou a possibilidade de aplicar as regras já em vigor em Paços de Ferreira, Lousada e Felgueiras em todo o território nacional, considerando que isso seria "uma injustiça".

Em relação à possibilidade de haver um novo confinamento geral na primeira quinzena de dezembro, André Ventura considerou que "não se justifica e pode até ser contraproducente".

O estado de emergência foi decretado, por 15 dias, de 19 de março a 2 de abril de 2020 e foi renovado por duas vezes, vigorando até 2 de maio passado.

Portugal está desde o dia 14 de outubro em situaçao de calamidade em todo o território nacional.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.


Adicionar o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

TEMOS NO SITE

Temos 287 visitantes e 0 membros em linha

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

News Fotografia