sexta-feira, 27 janeiro 2023

Isto não é um país É …

Jan. 20, 2023 Hits:267 Opinião

Epistocracia - O óptimo …

Jan. 15, 2023 Hits:989 Opinião

No Palácio do Raio

Jan. 15, 2023 Hits:400 Apontamentos

Távora- Varosa

Jan. 13, 2023 Hits:142 Crónicas

MAESTRO

Jan. 13, 2023 Hits:177 Crónicas

Braga de traço recente

Jan. 11, 2023 Hits:905 Apontamentos

Reforma Lei Eleitoral - M…

Jan. 11, 2023 Hits:165 Opinião

Racionalidade Politicamen…

Jan. 09, 2023 Hits:194 Opinião

A caminho de Salir

Jan. 08, 2023 Hits:1009 Crónicas

NO DEALBAR DE UM NOVO ANO

Jan. 08, 2023 Hits:385 Crónicas

Autarca de Caminha anuncia que promotor dá garantias





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


Caminha:  Autarca de Caminha anuncia que promotor dá garantias para construir centro de exposições transfronteiriço e oposição fala que o contrato tem de ser revogado 

Este negócio, criação de um centro de exposições transfronteiriço, criou polémica e esta envolve o actual secretário de Estado Adjunto do primeiro-ministro, Miguel Alves, e na altura do acordo presidente da autarquia de Caminha. Recordar que a câmara gastou 300 mil euros como pagamento adiantado de um ano de renda por um centro que ainda não existe.

Agora o actual líder do município de Caminha, Rui Lages, na última reunião de câmara adiantou que o promotor que, em 2020, assinou com a Câmara de Caminha um contrato-promessa para construir um centro de exposições está disponível a pagar uma caução ou fazer uma hipoteca para concluir o projecto, noutro local. Inicialmente o projecto seria na quinta do Corgo, em Vilarelho, mas os herdeiros inviabilizaram por que recorreram aos tribunais por não concordarem com o valor de venda proposto.

Segundo adiantou Rui Lages o promotor, por forma a demonstrar a sua boa-fé colocou à disposição da Câmara Municipal a outorga de garantia de boa execução do contrato mediante prestação de seguro-caução ou garantia autónoma à primeira solicitação iguais ao valor do adiantamento e/ou hipoteca a ser realizada sobre aqueles terrenos”.

O actual autarca de Caminha também sublinhou que irá “mandar elaborar um novo parecer jurídico, para responder a dúvidas que ainda subsistam, relativamente ao contrato.

Liliana Silva, vereadora na autarquia de Caminha eleita pela coligação o concelho de Caminha foi peremptória ao afirmar que se está a fazer “uma lavagem de cara ao processo. Atirando areia para os olhos das pessoas através da confusão de informações”.

“o contrato de arrendamento foi uma forma de não terem que lançar concurso público e contornar o visto do Tribunal de Contas para um projecto estratégico desta grandeza e valores. Ao fazerem um contrato de arrendamento com este privado em concreto deram-lhe garantias para eles puderem ir ao banco financiar-se, basicamente. Se a empresa estivesse mesmo interessada porque não o faz sozinha? porque precisa da câmara para alavancar o negócio? E se todos os privados que quiserem criar algo forem à câmara pedir dinheiro, fazendo contratos de arrendamento?! A Câmara paga os investimentos a todos? Se fosse estratégico e totalmente transparente tinham aberto concurso público a promotores interessados e não um contrato de arrendamento com alguém em concreto. Para mais uma empresa criada no ano em que fizeram este contrato sem quaisquer garantias . Até o gabinete de imprensa do presidente da câmara emitiu um currículo falso sobre o promotor, segundo o jornal Público. O que é algo estranho. Pergunto, qual o propósito de tudo isto?”.

Ainda em relação ao contrato promessa assinado pela câmara municipal de Caminha para a construção do centro de exposições transfronteiriço, Liliana Silva afirma que “este contrato já terminou e actualmente existe uma impossibilidade superveniente absoluta da conclusão do contrato. Tem que ser revogado e o actual presidente não o fez e insiste no erro. Agora quanto ao novo PIP, que é um outro assunto, continuam a fazer castelos na areia. Os terrenos que estão a ser comprados são rústicos, e não foi dado aos confrontantes o direito de preferência obrigatório por lei. Ou seja é um negócio feito à pressa”.

Luso.eu - Jornal das comunidades
Isabel Varela
Author: Isabel VarelaEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 527  pessoas que estão a ver esta página no momento, e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?