domingo, 27 novembro 2022

DEPOIS DO EUROMILHÕES

Nov. 27, 2022 Hits:98 Crónicas

PORTUGAL É RONALDO E RON…

Nov. 24, 2022 Hits:259 Opinião

Crónica triste para um d…

Nov. 20, 2022 Hits:137 Opinião

Em Ocasiões Especiais

Nov. 20, 2022 Hits:510 Crónicas

Os sonhos adiados

Nov. 19, 2022 Hits:205 Crónicas

IXELLES – UMA VILA DESO…

Nov. 15, 2022 Hits:220 Opinião

CRIANÇA PRESA NO PENICO

Nov. 13, 2022 Hits:459 Crónicas

Duas tardes em Coja

Nov. 13, 2022 Hits:789 Apontamentos

Esta vida de hipster

Nov. 08, 2022 Hits:126 Crónicas

Ladroagem Eleitoral

Nov. 06, 2022 Hits:334 Opinião

O “Auto Suicídio” de…

Nov. 04, 2022 Hits:337 Opinião

Ucrânia: Putin cancela assalto à resistência em Mariupol mas mantém bloqueio





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


O presidente russo, Vladimir Putin, cancelou hoje a ordem de assalto ao complexo industrial Azovstal, reduto da defesa ucraniana em Mariupol, mas mantém o bloqueio à zona.

"Considero inapropriado o assalto proposto à zona industrial. Ordeno o cancelamento", disse o chefe de Estado dirigindo-se ao ministro da Defesa, Serguei Shoigu, durante uma reunião governamental transmitida pela televisão pública russa Rossia 24. 

Calcula-se que se encontram cerca de dois mil ucranianos, entre civis e elementos do Batalhão Azov na área industrial Azovstal na cidade de Mariupol assediada pelos invasores russos desde o princípio da campanha militar da Ucrânia.  

Na mesma transmissão, o presidente russo afirmou que as forças de Moscovo alcançaram como "êxito" o controlo da cidade portuária ucraniana.

"O trabalho final de libertar Mariupol é um sucesso", disse ainda Vladimir Putin ao ministro da Defesa, depois de comunicar a Serguei Shoigu que um ataque contra o complexo fabril Azovstal "não é apropriado" e que era necessário sitiar "a área de tal forma para que nem uma 'mosca possa passar".

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já matou mais de dois mil civis, segundo dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.

A ofensiva militar causou já a fuga de mais de 12 milhões de pessoas, mais de 5 milhões das quais para fora do país, de acordo com os mais recentes dados da ONU – a pior crise de refugiados na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Luso.eu - Jornal das comunidades
Redacção
Author: RedacçãoEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 566  pessoas que estão a ver esta página no momento, e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?