domingo, 27 novembro 2022

DEPOIS DO EUROMILHÕES

Nov. 27, 2022 Hits:75 Crónicas

PORTUGAL É RONALDO E RON…

Nov. 24, 2022 Hits:258 Opinião

Crónica triste para um d…

Nov. 20, 2022 Hits:136 Opinião

Em Ocasiões Especiais

Nov. 20, 2022 Hits:510 Crónicas

Os sonhos adiados

Nov. 19, 2022 Hits:204 Crónicas

IXELLES – UMA VILA DESO…

Nov. 15, 2022 Hits:219 Opinião

CRIANÇA PRESA NO PENICO

Nov. 13, 2022 Hits:458 Crónicas

Duas tardes em Coja

Nov. 13, 2022 Hits:788 Apontamentos

Esta vida de hipster

Nov. 08, 2022 Hits:125 Crónicas

Ladroagem Eleitoral

Nov. 06, 2022 Hits:333 Opinião

O “Auto Suicídio” de…

Nov. 04, 2022 Hits:336 Opinião

Ucrânia: Combates cada vez mais perto da capital, Kiev admite avanço das tropas russas





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


O combate entre forças russas e ucranianas estão a intensificar-se hoje perto da capital da Ucrânia, com a vice-ministra da Defesa da Ucrânia a admitir o avanço das tropas inimigas nas imediações de Kiev.

"A ocupação inimiga de Vorsel e das aldeias circundantes é possível", escreveu Hanna Malyar na rede social Facebook.

As declarações de Malyar surgem num momento em que o exército ucraniano deu conta de combates com unidades blindadas russas em Dymer e Ivankiv, a 45 e 80 quilómetros a norte da capital, garantindo que destruíram dois tanques e que o avanço das "forças inimigas superiores foi travado na margem do rio Teterov. A ponte sobre o rio foi destruída".

Vorzel é uma aldeia na região ucraniana, a cerca de 35 quilómetros da capital, onde esta manhã se ouviram explosões, que o assessor do Ministério do Interior Anton Gerashchenko atribuiu ao disparo de baterias antiaéreas que defendiam a cidade.

A mesma defesa antiaérea de Kiev abateu um avião russo, que se despenhou junto a um edifício residencial na cidade, no distrito de Darnitsk, escreveu a mesma fonte na plataforma de mensagens Telegram.

Ainda a norte de Kiev, no distrito de Oblonsky, há informações de explosões.

Na quinta-feira, o primeiro dia da invasão, as tropas russas já tinham tomado o ponto de fronteira de Vilcha, também na região de Kiev, a 50 quilómetros da fronteira bielorrussa.

Pouco depois, tomaram de assalto o aeródromo Hostomel, a 35 quilómetros da capital, onde chegaram com 200 paraquedistas, segundo o exército, mas as forças armadas ucranianas conseguiram recuperar o controlo, de acordo com o conselheiro presidencial Alexei Aristovich.

"Outro grupo táctico das Forças de Defesa mantém o controlo do aeroporto Hostomel, ao qual os pára-quedistas russos chegaram ontem [quinta-feira]", reiterou hoje o Comando Geral das Forças Armadas.

A Rússia alargou a invasão da Ucrânia à periferia da capital e, ainda de madrugada, os Estados Unidos afirmavam-se convencidos de que o cerco a Kiev estava iminente.

As explosões soaram antes do amanhecer em Kiev. O Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, disse que o Governo tinha informações de que "grupos subversivos" estavam a invadir a cidade.

O secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, disse que Kiev "poderia muito bem estar cercada".

O secretário da Defesa dos EUA, Lloyd Austin, numa chamada telefónica com membros do Congresso norte-americano, disse que as forças mecanizadas russas que entraram a partir da Bielorrússia estavam a pouco mais de 30 quilómetros da capital ucraniana.

A Rússia lançou na quinta-feira de madrugada uma ofensiva militar em território da Ucrânia, com forças terrestres e bombardeamento de alvos em várias cidades, que já provocou pelo menos meia centena de mortos, 10 dos quais civis, em território ucraniano, segundo Kiev.

Putin disse que a "operação militar especial" na Ucrânia visa "desmilitarizar e desnazificar" o seu vizinho e que era a única maneira de o país se defender, precisando o Kremlin que a ofensiva durará o tempo necessário, dependendo dos seus "resultados" e "relevância".

O ataque foi de imediato condenado pela generalidade da comunidade internacional e motivou reuniões de emergência de vários governos, incluindo o português, e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), UE e Conselho de Segurança da ONU.

Luso.eu - Jornal das comunidades
Redacção
Author: RedacçãoEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 559  pessoas que estão a ver esta página no momento, e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?