domingo, 26 junho 2022

Dinamite

Jun. 21, 2022 Hits:45 Opinião

UM NOVO DEUS (Crónica)

Jun. 21, 2022 Hits:88 Crónicas

A cidade desperta

Jun. 15, 2022 Hits:175 Crónicas

Quantos dias tem a semana

Jun. 05, 2022 Hits:366 Crónicas

Aventuras (Crónica)

Jun. 02, 2022 Hits:164 Crónicas

A Outra Cena da Filosofia

maio 30, 2022 Hits:170 Crónicas

Na terra dos gnomos

maio 30, 2022 Hits:517 Crónicas

O Futuro é a Europa

maio 26, 2022 Hits:429 Opinião

Do Dia da Europa aos desa…

maio 25, 2022 Hits:100 Opinião

Ameaças da Rússia contra a Ucrânia são um alerta para a Europa, dizem eurodeputados





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


Num debate sobre as relações UE-Rússia, a segurança europeia e a ameaça militar russa contra a Ucrânia, os eurodeputados apelaram a uma resposta unida e manifestaram o seu apoio à Ucrânia.

Os eurodeputados debateram esta manhã as ameaças militares da Rússia contra a Ucrânia com o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e o chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell.

No início do debate, a presidente do Parlamento Europeu (PE), Roberta Metsola, sublinhou que a assembleia expressou reiteradamente a sua solidariedade para com o povo da Ucrânia, que continua a enfrentar incertezas e ameaças de agressão militar russa.

"O que estamos a testemunhar é também uma ameaça à paz na Europa", acrescentou Roberta Metsola, lembrando que o PE votará hoje um pacote de assistência macrofinanceira à Ucrânia no valor de 1.200 milhões de euros. A presidente do PE agradeceu à Comissão pela sua "proposta atempada para apoiar a estabilidade financeira e a resiliência da Ucrânia nas atuais circunstâncias difíceis".

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, considerou que a recente e sem precedentes acumulação militar russa ao longo da fronteira ucraniana só pode ser vista como um comportamento agressivo e ameaçador. Reiterou que estas táticas beligerantes não só ameaçam a estabilidade e a integridade da Ucrânia, mas também a paz e a segurança na Europa e o sistema internacional baseado em regras.

Charles Michel afirmou que a UE está a trabalhar continuamente com os seus parceiros internacionais e aliados para desanuviar as tensões, em primeiro lugar através da diplomacia, mas também na preparação de sanções robustas contra a Rússia face a uma agressão militar contra a Ucrânia. O presidente do Conselho Europeu anunciou ainda a organização de uma conferência de doadores para continuar a apoiar a economia ucraniana.

“A ideia de esferas de influência não pertence ao século XXI", declarou a presidente da Comissão, Ursula von der Leyen. A diplomacia ainda não disse a sua última palavra, mas deve ser seguida de ações, afirmou, referindo-se aos últimos sinais vindos do Kremlin. Acrescentou que a NATO ainda não observou uma redução das tropas russas na fronteira com a Ucrânia.

A presidente da Comissão advertiu a Rússia para não utilizar a "questão energética" como uma arma. A UE está a reforçar outras fontes de energia e está preparada para este Inverno, garantiu. Para Ursula von der Leyen, a principal lição aprendida pela UE é a de que tem de diversificar as suas fontes de energia para não estar dependente do gás russo. O futuro europeu está nas energias renováveis, concluiu.

"O que pode acontecer na Ucrânia marcará o futuro da humanidade", disse o Alto Representante da UE para os Negócios Estrangeiros, Josep Borrell. "Se a lei do mais forte prevalecer, seria dado um passo atrás", acrescentou. Borrell referiu que a UE e os Estados-Membros enfrentam a possibilidade de uma agressão militar russa de forma unida e considerou que "esta é uma das consequências positivas desta crise". O chefe da diplomacia europeia esclareceu que a UE está pronta a negociar uma solução diplomática, mas também preparada para agir, incluindo com a aplicação de sanções, se necessário.

Vários eurodeputados salientaram que as atuais tensões são um alerta para a UE, que deve continuar a desenvolver as suas capacidades para lidar com a pressão externa e assegurar uma resposta forte às ameaças externas, mantendo ao mesmo tempo a paz e a democracia como valores fundamentais e o objetivo primordial. Os parlamentares consideram que os desafios russos criam uma oportunidade para reforçar a unidade europeia.

Expressando o seu apoio contínuo e a sua admiração pelo povo ucraniano perante a ameaça de agressão russa, vários eurodeputados reiteraram também a necessidade de continuar a diplomacia com Moscovo e de preparar sanções duras contra a Rússia. O gasoduto Nord Stream 2 entre a Rússia e a Alemanha deve também estar em cima da mesa quando forem negociadas as sanções, disseram alguns parlamentares.

Alguns eurodeputados afirmaram que a razão da agressividade da Rússia não é o alargamento da NATO, mas sim o poder dos valores e a atratividade das sociedades democráticas, o que assusta o Presidente russo, Vladimir Putin, e o Kremlin. Outros eurodeputados criticaram a UE por ser demasiado ambígua na sua resposta à Rússia, enquanto outros sublinharam que a Europa precisa de dar seguimento às suas palavras com ações contra a agressão russa.

Luso.eu - Jornal das comunidades
Tony Da Silva
Author: Tony Da SilvaEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 1166 visitantes e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?