quinta-feira, 06 outubro 2022

O AMOR DE MÃE É ETERNO

Out. 04, 2022 Hits:74 Crónicas

INSULTUOSO – CORROMPIDO…

Out. 01, 2022 Hits:246 Opinião

Então Paris como é?

Set. 28, 2022 Hits:49 Crónicas

Desliguei a internet

Set. 26, 2022 Hits:73 Crónicas

OS TEMPOS DAS CIDADES

Set. 19, 2022 Hits:117 Crónicas

Quem vai pagar impostos?

Set. 19, 2022 Hits:111 Opinião

Os robots não devem paga…

Set. 18, 2022 Hits:245 Opinião

Paternalismo

Set. 14, 2022 Hits:95 Crónicas

Ucrânia: Bruxelas propõe aos líderes mais 500 ME em armas para exército ucraniano





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


O Alto Representante da União Europeia para a Política Externa revelou hoje que propôs aos chefes de Estado e de Governo, reunidos em Versalhes, França, duplicar o financiamento de armamento para a Ucrânia, com 500 milhões de euros suplementares.

À chegada ao Palácio de Versalhes para o segundo dia de trabalhos da cimeira informal que reúne os líderes dos 27, Josep Borrell anunciou que propôs “mais 500 milhões de euros de contribuição para o apoio militar à Ucrânia”, através do Mecanismo Europeu de Apoio à Paz, elevando assim para 1.000 milhões de euros o financiamento pela União Europeia (UE) de aquisição e fornecimento de armas para apoiar as Forças Armadas ucranianas a combater a invasão russa.

“Fiz a proposta de duplicar a nossa contribuição e estou certo de que os líderes vão aprovar este dinheiro”, declarou Borrell, acrescentando que “todos estão conscientes de que é necessário aumentar o apoio militar à Ucrânia e colocar mais pressão sobre a Rússia”.

Confiante de que os chefes de Estado e de Governo dos 27 vão dar o seu aval político à proposta, o chefe da diplomacia europeia comentou que, uma vez dada a ‘luz verde’, o financiamento para a aquisição e fornecimento de armas “vai ser imediato, pois agora tudo flui rapidamente”.

Em 27 de fevereiro, ao quarto dia da operação militar lançada pela Rússia na Ucrânia, a UE aprovou a inédita decisão de financiar o fornecimento de armamento a um país terceiro, aprovando um pacote de 450 milhões para a aquisição de armas letais, mais 50 milhões para material não letal, designadamente combustível e equipamento de proteção.

Na altura, o ministro da Defesa, João Gomes Cravinho, estimou que a contribuição portuguesa para esse primeiro pacote de 500 milhões rondasse os "8 a 10 milhões de euros".

Na quinta-feira, à chegada à cimeira informal de Versalhes, dominada inevitavelmente pela guerra na Ucrânia e consequências para a UE, Borrell comentou que a Rússia está a “fazer a guerra” na Ucrânia “como o fez na Síria e na Chechénia", a “bombardear indiscriminadamente”, fazendo muitas vítimas civis e a “destruir um país”.

“Todos podem ver pela televisão o que se está a passar. Os russos estão a bombardear indiscriminadamente as cidades ucranianas, [a provocar] centenas de vítimas civis, mais de dois milhões de refugiados. A Rússia está a fazer a guerra da forma que a pratica, tal como o fizeram na Síria e na Chechénia: a bombardear e destruir um país”, disse.

Segundo o Alto Representante da UE para a Política Externa e de Segurança, os 27 devem “trabalhar em duas direções”.

Por um lado, sustentou, há que “continuar a colocar pressão sobre a Rússia para parar esta guerra louca, para parar de matar civis, através da ação diplomática e também de sanções”, por outro, aumentando “a resiliência da União Europeia”, designadamente através da independência energética e do reforço das capacidades de defesa.

Borrell disse acreditar numa cimeira produtiva, até porque, garantiu nunca ter visto “os Estados-membros tão unidos”.

“[Vladimir] Putin acreditou que ia conquistar a Ucrânia, e falhou. Pensou que ia dividir-nos, e falhou. Pensou que ia enfraquecer a relação transatlântica, e falhou. Agora tem de pôr fim à guerra”, concluiu.

Os chefes de Estado e de Governo da UE, entre os quais o primeiro-ministro António Costa, iniciaram quinta-feira à tarde, em Versalhes, França, uma cimeira de dois dias originalmente consagrada à economia, mas que acabou por estar focada em questões de defesa, por força da ofensiva russa na Ucrânia.

Luso.eu - Jornal das comunidades
Redacção
Author: RedacçãoEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 1496 visitantes e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?