Colocámos cookies no seu computador para melhorar a sua experiência no website. Ao utilizar o site, está a concordar com o seu uso. Ler mais

Lusoproductions  has placed cookies on your computer to help improve this site. By using this site, you are consenting to its usage. Ler mais

É emoção, sonho e imensa criatividade, e tudo em somente duas palavras: Ensemble Risoluto.
Um trio do norte de Portugal, composto por Sílvia Pinto (voz), José Paulo Ribeira (piano) e Paulo Barbosa (clarinete). São músicos profissionais e quem os ouve pela 1ª vez fica surpreendido e logo é invadido por toda a emoção e criatividade emanada pelos Ensemble Risoluto. Em palco são exímios no que fazem e ouvi-los é viajar com eles no lírico, jazz, fado e tudo o que se prepõem tocar e cantar.
Todos os elementos do grupo são amplamente reconhecidos pelo domínio dos instrumentos e elevado nível de qualidade das suas performances. É notória a « máxima organização, requinte e profissionalismo.
Tivemos a oportunidade de melhor conhecer os Ensemble Risoluto, numa entrevista com Sílvia Pinto que nos revelou quer o seu percurso profissional e dos Ensemble Risoluto.

Isabel Varela - Quem é Sílvia Pinto

Sílvia Pinto - A Sílvia Pinto é uma mulher que se rege pelo sonho de ser feliz e fazer felizes os que a rodeiam.

Isabel Varela - Quando surge a música na sua vida?

SP - A música faz parte da minha vida desde os seis anos, momento em que os meus pais me proporcionaram este contacto aquando do ingresso no Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga, frequentando o regime integrado desde o 1º Ciclo ao Ensino secundário.

Isabel Varela - Porquê o canto lírico?

SP - Cantar é, desde que me lembro, a actividade por excelência dos meus tempos livres aliada à dança. O fascínio pela expressão corporal, pela interpretação e pelo movimento surgiu desde cedo e o meu percurso escolar sempre se complementou com actividades extra curriculares com ênfase nas áreas referidas, como por exemplo o Ballet ou o Teatro. Algures na mudança do 2º para o 3º Ciclo, assisti à minha primeira ópera, La Spinalba, de Francisco António de Almeida, no Teatro Municipal do Campo Alegre, e lembro-me perfeitamente de ter pedido à minha mãe para me transferir de Piano, instrumento que frequentava na altura, para Canto, algo que não a agradou muito e que o plano de estudos nessa época também não permitia. A partir daí começou a crescer o ‘bichinho’ pelo Canto e a insistência em deslocar-me ao Porto para poder usufruir de outros concertos e óperas. O inevitável ocorreu e, na transição do 9º para o 10º ano de escolaridade, optei pela continuidade na área de estudos da música, mais concretamente, no Curso Secundário de Canto.

Isabel Varela - E quando canta o que sente?

SP - É inexplicável a sensação de liberdade que o Canto me oferece. Permite-nos interpretar com o corpo de uma forma mais intrínseca e pessoal, uma vez que nos obriga a lidar com textos e diversos personagens, que, através da nossa compreensão e sensibilidade, ganham vida e nos transpõem do nosso ‘eu’. Amo a música, mas é indescritível o poder que esta abarca quando unida à palavra. Quando canto usufruo de uma sensação de preenchimento e de felicidade, e sei que ao fazê-lo comunico com as pessoas de uma forma especial, transmitindo emoções sem filtros que me caracterizam enquanto pessoa ou que me aproximam de algum modo do público. Acabamos por transportar sentimentos com os quais é necessário saber lidar, sendo fundamental o ter familiares que nos entendam e apoiem incondicionalmente. A este nível, sou uma felizarda, porque a estabilidade emocional proporcionada pela minha família diferencia sem dúvida o meu percurso, tornando-me uma pessoa capaz de amar tão verdadeiramente tudo o que faço e de aceitar tão abertamente e sempre com um sorriso cada desafio que me é colocado.

Isabel Varela - No entanto, é uma área pouco publicitada e apoiada em Portugal. Porquê?

SP - Estamos numa fase em que só ouvimos falar de cortes no orçamento da saúde ou da educação, de desemprego, entre tantas outras notícias que nos angustiam. Ainda assim, nestes momentos de crise, a cultura é a mais lesada, sendo preciso inteligência e capacidade intelectual por parte dos organismos culturais na gestão financeira e procura de inovação ou criação de novas soluções que não se sustentem no gozo próprio, mas que, por outro lado, se desprendam do egocentrismo que se evidencia e passem a ponderar que o público não se alimenta apenas de um só género musical.

Isabel Varela - Nessa área quais são os seus mentores? E porquê?

SP - Ao longo do meu percurso, trabalhei já com vários professores de canto, quer ao nível nacional, quer ao nível internacional. Ainda assim, atribuo a minha identidade enquanto cantora lírica às professoras com quem trabalho desde 2012, a Prof.ª Dora Rodrigues e a Prof.ª Elisabete Matos, as quais me têm conduzido ao ato de cantar assente na pureza e naturalidade da voz e sido capazes de me orientar numa técnica saudável com base no que consideram correto, sem a necessidade de recorrer a elogios elaborados ou críticas pouco construtivas, mas a palavras genuínas e persuasivas aquando do processo de aprendizagem.

Isabel Varela - Ao longo da sua carreira que momento destacava?

SP - Destaco a minha participação na ópera A Raposinha Matreira, de Leoš Janáček, no Teatro Rivoli do Porto, em 2004, a qual me impulsionou na decisão em prosseguir os meus estudos na área do Canto. Destaco, igualmente, a obtenção do 1º Prémio e Prémio Revelação no Concurso Internacional Cidade do Fundão, 2014, motivo de um enorme orgulho pelo reconhecimento do meu trabalho e estímulo para continuar a lutar por uma carreira que tanto ambiciono.

Isabel Varela - E os Ensemble Risoluto como surgem e porquê?

SP - O Ensemble Risoluto constitui-se por três músicos profissionais com formação académica superior em música: José Paulo Ribeira (Piano), Paulo Barbosa (Clarinete) e Sílvia Pinto (Soprano). Todos os elementos do grupo são amplamente reconhecidos pelo domínio dos instrumentos e elevado nível de qualidade das suas performances. Partindo da vontade de nos apresentarmos enquanto artistas, surge em 2010 este projecto , o qual nos tem permitido a partilha de um trabalho pelo que somos apaixonados.

Isabel Varela- Qual a vossa aposta? Que tem os Ensemble Risoluto que os outros não tem?

SP - A formação com a qual nos apresentamos é pouco comum, resultando numa sonoridade muito característica que nos diferencia perante as outras formações existentes. Além disso, movemo-nos pela paixão que nutrimos pela música, levando-nos a aproximar das pessoas de um modo muito pessoal, pautado pela cumplicidade que nos une.

Isabel Varela - No vosso trajecto o que destaca?

SP - Destacamos, sem dúvida alguma, não só o crescimento que temos tido ao nível musical e artístico essencialmente nos últimos três anos, bem como a aceitação e o carinho do público que assiste às nossas performances.

Isabel Varela - Qual o vosso público alvo?

SP - Contamos já com uma vasta experiência na área da animação musical, actuando em todo o tipo de eventos sociais, corporativos e empresariais. Ainda assim, temo-nos dedicado com especial ênfase no âmbito da cerimónia religiosa ou civil, salientando-se, além do acompanhamento musical da cerimónia, o acompanhamento musical dos aperitivos e do corte do bolo. A música ao vivo em qualquer um destes momentos proporciona um ambiente mais elegante e tem sido um privilégio partilhar este dia tão íntimo.

Isabel Varela- Porquê os casamentos?

SP – Após concluirmos os nossos estudos, as opções enquanto futuro profissional não eram muitas. Infelizmente, , vivemos num país culturalmente carente ao nível de oportunidades para os que dedicam a sua vida à arte, o que é aparentemente contraditório, já que é riquíssimo e possui exímios artistas nas mais diversas áreas. Os casamentos surgiram, portanto, como uma forma de podermos fazer aquilo para que tanto estudamos e amamos, música. Não é por acaso que dizemos que aquilo que nos distingue é a amor e a dedicação com que nos entregamos, somos mesmo apaixonados pelo que fazemos e movemo-nos sempre por este espírito.
 
Isabel Varela - E neste âmbito os Ensemble Risoluto já tem ganho alguns prémios. Pode me os enumerar?

SP – Temos sido anualmente premiados por vários portais na área dos casamentos, nomeadamente Casamentos.pt e Zankyou.pt. São prémios que reconhecem os melhores profissionais em cada categoria, no nosso caso Música.

Isabel Varela - Quais os próximos projectos dos Ensemble Risoluto?

SP – Existem várias ideias lançadas, mas ainda nada em concreto que possamos avançar. O que podemos dizer ou pedir é que, para os que nos seguem e se identificam com o nosso projecto, estejam atentos às nossas diversas ferramentas de divulgação online. A seu tempo, todas as novidades estarão decerto lá.

Isabel Varela - Qual o vosso sonho?

SP – O sonho comanda a vida ou somos do tamanho dos nossos sonhos são expressões que ouvimos diariamente. Ora os sonhos são imensos, não podemos dizer que temos um só sonho. Ainda assim, a ressalvar algum, que seja o de continuar a ver o Ensemble Risoluto a crescer cada vez mais, a conseguir cativar as pessoas pela sua música e pelo modo como a transmite, e a tornar o mundo de que o ouve um pouquinho melhor.

Conecte-se

Se deseja inscrever-se na nossa newsletter, Digite seu endereço de e-mail.