Colocámos cookies no seu computador para melhorar a sua experiência no website. Ao utilizar o site, está a concordar com o seu uso. Ler mais

Lusoproductions  has placed cookies on your computer to help improve this site. By using this site, you are consenting to its usage. Ler mais

China. Tsunami Financeiro à Vista?
China. China. China. Trump repetiu esta palavra vezes sem conta, lembrando segundo ele, aos USA e mesmo ao resto do mundo ocidental, onde deveria estar focada a nossa atenção, entre outros pontos, a nível económico. Mas um padrão diferente parece estar a surgir. Pode mesmo acontecer que a China tenha uma aterragem forçada, ou mesmo um colapso económico, antes mesmo das políticas de Trump comecem a sortir efeito.

Afinal o que se está a passar na economia chinesa? O que começa a ser cada vez mais claro de dia para dia, é uma crise de endividamento de dimensões épicas. O rácio dívida em percentagem do PIB atingiu valores muito elevados. Tal não seria muito diferente de outros países, se não fosse o caso de esse mesmo endividamento estar a crescer muito mais rapidamente que o crescimento da economia. Há especialistas que afirmam que grande parte do aumento do endividamento se destina ao serviço da dívida.Dito de outra forma, para pagar os encargos da mesma. Em paralelo, mesmo os dirigentes chineses duvidam das suas próprias estatísticas, muitas vezes opacas.

O que significa que os valores do endividamento podem ser maiores do que os apresentados. Há ainda uma banca paralela, composta por Hedge Funds, Fundos de Investimento, entre outros, que atuam á margem das regulações para a banca tradicional e cujo peso das suas atividades, essencialmente a curto prazo, tem um peso superior a 120% do PIB. Se até aqui as autoridades sempre conseguiram evitar uma grave crise, parece também cada vez mais claro aos olhos de um crescente número de especialistas, que tal situação começa a ganhar contornos de que não será possível de evitar. E se a economia chinesa entrar em colapso? Como é que este facto, poderá afetar a Europa e os USA? Esse impacto será inevitável.

Em primeiro lugar através do comportamento das bolsas internacionais e posteriormente na cadeia de fornecimento internacional, onde a China está bem integrada.



Conecte-se

Se deseja inscrever-se na nossa newsletter, Digite seu endereço de e-mail.