Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor.

Lucas Fernandes marca o primeiro golo após a retoma da I Liga de futebol

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

(Lusa) – O brasileiro Lucas Fernandes marcou hoje o primeiro golo após a retoma da I Liga de futebol, 87 dias depois de ter sido suspensa devido à covid-19, dando vantagem ao Portimonense sobre o Gil Vicente.

No primeiro dos últimos 90 encontros da I Liga, o médio marcou, aos 49 minutos, colocando o Portimonense a vencer em casa, com um grande remate de fora da área.

Os festejos do golo, contudo, 'furaram' as recomendações das autoridades de saúde, com todos os jogadores do conjunto algarvio a abraçarem-se.

Suspensa desde o ‘longínquo’ dia de 08 de março, a I Liga portuguesa foi hoje retomada, seguindo um exigente protocolo sanitário, com imagens inéditas no futebol português: treinadores (e suplentes) de máscara, ausência de cumprimentos entre os jogadores – e alguma hesitação nos protagonistas, confrontados com a ‘nova normalidade’ – e um minuto de silêncio, cumprido em rigoroso distanciamento, num círculo no centro do relvado, em memória das vítimas da covid-19.

Desse já distante dia 08 de março, os adeptos do futebol, ‘excluídos’ do regresso do campeonato, recordarão um domingo ‘cheio’, com cinco jogos, entre os quais a vitória caseira do Sporting na receção ao lanterna-vermelha Desportivo das Aves, por 2-0, na estreia de Rúben Amorim,

Mas foi o triunfo do Vitória de Guimarães em Paços de Ferreira, por 2-1, o derradeiro encontro antes da interrupção devido à pandemia de covid-19, tendo o médio português João Carlos Teixeira sido o último jogador a marcar um golo, aos 66 minutos desse encontro, naquele que foi o seu segundo no jogo.

Dois dias depois, a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) decidiu que os jogos da 25.ª jornada, prevista entre 13 e 15 de março, seriam disputados à porta fechada. Nessa altura, Portugal registava 41 casos de infeção.

No entanto, em 11 de março, a Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou a doença provocada pelo novo coronavírus como pandemia e, logo no dia seguinte, a competição foi suspensa por tempo indeterminado, quando Portugal contava 78 infetados e nenhuma vítima mortal.

O desporto parou e cumpriu quarentena. Os jogadores, remetidos às suas casas, realizaram treinos limitados à manutenção da condição física, sempre na perspetiva de concluir a temporada, algo que pareceu ficar mais viável quando o primeiro-ministro, António Costa, se reuniu com os presidentes de FPF, Liga, Benfica, FC Porto e Sporting, em 28 de abril.

Nesse mesmo dia, António Costa condicionou o regresso do futebol aos fundamentos técnicos de saúde e, dois dias depois, deu ‘luz verde’ à conclusão do campeonato e à disputa da Taça de Portugal, mediante a aprovação de um plano sanitário da Direção-Geral da Saúde (DGS).

O Governo decidiu permitir a retoma da I Liga no fim de semana de 30 e 31 de maio, mas a Liga de clubes apontou o regresso para 04 de junho. Acabaria por antecipar a data do arranque, depois de aprovados 16 dos 18 recintos dos clubes da competição e da Cidade do Futebol, casa emprestada para Belenenses SAD e Santa Clara.

Os 90 últimos jogos da I Liga, entre os quais os ‘quentes’ FC Porto-Sporting, em 15 de julho, e Benfica-Sporting, na última jornada, vão ser disputados numa ‘maratona’ praticamente diária até 26 de julho.

Após esse dia vai ser disputada a final da Taça de Portugal, igualmente à porta fechada, em local e data a designar.

Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor.

 


RECOMENDADOS PARA SI

Últimos Tweets

Parlamento Europeu aprova Relatório de José Gusmão sobre Orientações para as Políticas de Emprego https://t.co/4tiw2VuSht
Marisa Matias e José Gusmão nomeados para as novas comissões do Parlamento Europeu - ANIT e FISC https://t.co/ahLOobloCO
Pedrógão Grande: Confederação da Agricultura acusa ex-ministro Capoulas Santos de “má vontade política” https://t.co/72MziaIv0L
Follow Jornal das Comunidades on Twitter