Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor.

Rádio Portuguesa UK arranca na Internet para chegar à comunidade no Reino Unido

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

(Lusa) - A Rádio Portuguesa UK começou como uma “brincadeira” durante o confinamento da pandemia de covid-19 com o objetivo inicial de informar a comunidade no Reino Unido, mas já ambiciona chegar à diáspora em todo o mundo. 

As emissões arrancaram simbolicamente no Dia de Portugal, a 10 de Junho, e nas seis semanas de funcionamento acumularam uma audiência de 20 mil pessoas.

“Isto começou tudo como uma brincadeira, tinha duas salas disponíveis e já tinha o ‘bichinho’ de montar uma rádio há algum tempo porque tive alguma experiência em Bragança”, contou à agência Lusa o diretor-geral, Pedro Xavier, proprietário de um escritório de consultoria e serviços em Londres.

Membro ativo da comunidade portuguesa, sentia falta de um “projeto sólido” que informasse e mobilizasse os portugueses residentes no Reino Unido, que se estima rondarem os 400 mil. 

O confinamento decretado no país em março para tentar travar a pandemia de covid-19 tornou esta causa ainda mais importante, já que muitas pessoas passaram a estar mais tempo em casa, com necessidade de apoio e divertimento. 

De uma conversa com o sócio João Carlos Faneca, o projeto acelerou e em poucas semanas foi criada uma página na Internet e iniciada a formação de uma equipa, que já conta com 15 pessoas. 

Entre os colaboradores estão o antigo futebolista Idalécio Rosa, a fadista Margarida Arcanjo e animadores com sotaque brasileiro e angolano, Carolina Bianchini e Waldemar Gourgel, numa tentativa de alargar a audiência. 

O alinhamento da Rádio Portuguesa UK inclui programas de entretenimento, com humor e música, debates sobre temas atuais e política, fóruns de aconselhamento sobre questões médicas e jurídicas e análises da atualidade futebolística ou das ‘fofocas’ das revistas ‘cor-de-rosa'.

“A variedade de programas é muito boa e está a correr muito bem”, afirmou à Lusa João Faneca, que trabalhou como relações públicas e produção de eventos e já tinha criado um canal de televisão na rede social Facebook chamado I Love Portugal UK, onde anima as ‘Conversas de Quarentena’. 

Na sua opinião, “a comunidade precisava disto, um meio para divulgar os problemas, chegar às pessoas com os eventos e para ficarmos mais perto".

"Queremos unir a comunidade, não só no Reino Unido, mas espalhada pelo mundo”, comentou. 

Na antena já passaram o embaixador de Portugal, Manuel Lobo Antunes, a cônsul-geral em Londres, Cristina Pucarinho, e personalidades como Lili Caneças, Ágata, Fátima Lopes e Quim Barreiros. 

A emissão pode escutar-se através da página da Internet e das aplicações próprias para telemóvel e está presente nas redes sociais, mas estão a ser feitos esforços para obter uma licença para transmitir em FM. 

Consciente de que “as pessoas estão mais agarradas aos telefones e redes sociais e usam menos os rádios”, Pedro Xavier vinca que algumas emissões são transmitidas ao vivo no Facebook, o que "permite interagir com os ouvintes e coloca a rádio no século XXI".


RECOMENDADOS PARA SI

Últimos Tweets

"É necessário assegurar a diversidade geográfica da abertura das mesas de voto", Pedro Rupio https://t.co/rZo1l8mTns
Berlim no final da linha  https://t.co/oi2NcrHbcX
UC desenvolve testes rápidos de baixo custo para detetar a resposta imunitária ao vírus SARS-CoV-2 https://t.co/3PQZTHAQlm
Follow Jornal das Comunidades on Twitter