Colocámos cookies no seu computador para melhorar a sua experiência no website. Ao utilizar o site, está a concordar com o seu uso. Ler mais

Lusoproductions  has placed cookies on your computer to help improve this site. By using this site, you are consenting to its usage. Ler mais

Foto de fidalgos (Fliker)

À memória de Maximiana e Eduardo Carneiro,
Pais e avós de gente boa.



Curvas ásperas, pneus chiantes, abrasador sol a subir a serra. Logo após mais uma dobra, a escaldante rampa em cimento contígua ao restaurante. Estacionei mesmo defronte da porta, a menos de um metro desta.

De Faro à serra, a viagem decorrera silenciosa. O ainda verde arvoredo do Barrocal dera lugar ao torneado ralo e amarelecido das silvas e arbustos das colinas. No zénite do dia e do Verão, a Ria Formosa, em horizonte de frescura, ia-se alargando e escapando.
No pátio exterior, mesas dispersas acomodavam solitários leitores de imprensa desportiva e alguns murmurantes casais, em pachorrenta digestão. Alguns, visivelmente, de origem forasteira, degustavam sem fervor whiskies e águas minerais.

Estacionei o mais possível em cima da porta principal.

- Não se respeita quem está aqui! Não vê que o seu carro incomoda quem está nestas mesas em sossego, havendo outros lugares ali a dez metros? – disse a inglesa mais velha, de uns setenta e tal, furibunda, em crescente tom ameaçador.

Preocupado com a minha tarefa e, por inútil, reservo-me. Abro a porta do outro lado do condutor e ajudo o meu Pai, a quem uma trombose primeira, lhe retirou capacidades motoras, a segunda, mais tarde, não perdoaria. Entro com ele no restaurante, apoiado no meu ombro, ofegante e dorido, e sento-o na mesa previamente reservada pela patroa da casa.
Rapidamente, volto lá fora. Na mesa, a escassos centímetros do para-choques do meu jeep, a inglesa tinha-se acalmado e calado.

Lesto, abro a porta de trás e, à força de braços, como se fora um bebé, soergo a minha Mãe e transporto-a a custo para dentro, sentando-a na mesa, defronte de meu Pai. Pálida, febril, resistia com garra à doença que se adivinhava prestes fatal. 

De pé, respiro fundo, numa mão, a chaves do carro, na outra, o lenço com que secava o suor da testa e pescoço.
Pela porta, decidida e de mãos na cara, a loira inglesa contestante, em restaurante silencioso, expectante e tenso, chega-se a mim, abraça-me com força, emocionada, tremente, lavada em lágrimas fartas, e titubeia:
- Perdão! Perdão! Perdão!

De novo por inútil, reservo-me.
Meus Pais ficaram mais bonitos naquele momento.

Algarve, 9 de Agosto de 2015
Ligure

Nota:
Em vários encontros de Estio, no Algarve, onde ele vive, o meu amigo Joaquim Carneiro repetia-me esta história passada com ele.
Falecidos os Pais, com o inexorável tempo a correr, observei-lhe que o fundo instrutivo da cena merecia letra de forma.
Ofereci-me (impus-me!) e ofereci-a, tal e qual, à família à qual me unem estreitos e antigos laços de amizade.
Saiu assim, longe da cativante e emotiva versão oral do meu querido amigo.
 

Conecte-se

Se deseja inscrever-se na nossa newsletter, Digite seu endereço de e-mail.