Taça da União Europeia

ID:N°/ Texto: 4192
Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Se há coisa que eu não entendo é quando os políticos se esquecem do que é que os seus cidadãos gostam ou tomam atitudes paternalistas em relação a isso. Se queremos que as pessoas adiram às prioridades estratégicas de uma unidade geográfica, essa unidade geográfica deve tentar entender como poderá comunicar com os seus cidadãos. Dado o perigoso distanciamento dos cidadãos em relação à política e, por inerência, à democracia, penso que está no momento de agir de forma revolucionária. Temos que pensar, como se costuma dizer, “fora da caixa”.  

Obviamente que uma grande percentagem dos cidadãos da União Europeia gosta e muito de futebol. Na Europa, mesmo parte das pessoas que não gostam de futebol mobilizam-se nos jogos dos campeonatos que incluem as seleções nacionais, no mínimo, para participar na festa. Eu vi isso em Portugal, na Bélgica e em todos os países por onde tenho passado. Lembro-me inclusivamente de estar na ilha de Rodes, Grécia, numa reunião científica e o café mais próximo da sala de conferências era o 2004 Amantes do futebol português, imaginem porquê… Doeu-me.  

Portanto, se queremos atrair os cidadãos para o mundo da União Europeia, a União Europeia tem que se aproximar do futebol. Longe de o fazer de forma subserviente, a União tem que tomar a liderança. A minha sugestão é muito simples. Que, em conjunto com a UEFA, se organize uma nova e curta competição (masculinos e femininos, claro!) que junte anualmente os vencedores das taças de cada país da União Europeia. 

Os dirigentes europeus não podem continuar a viver numa redoma romântica em que esperam que as pessoas apenas se dediquem a atividades ditas intelectualmente elevadas. Não é assim. Aliás, admitindo que o futebol é apenas um espetáculo, que não é, repare-se que a União Europeia patrocina diversas artes e bem. Por que razão deixar de fora a arte que os europeus mais gostam? Sim, para mim, o futebol é uma arte, muito mais do que um desporto ou uma competição. Por que razão distanciar as instituições europeias do que mais apaixona as pessoas que pretendem servir 

Esta Taça da União Europeia seria constituída pelos 28 vencedores das taças de cada país. Por exemplo, no caso de Portugal, este ano seria representado pelo Sporting em masculinos e pelo Benfica em femininos. Era bonito.  

Digo mesmo mais. Sabendo como os britânicos são os inventores do futebol, têm o campeonato mais espetacular e competitivo do mundo e adoram o desporto-Rei, eles iriam de imediato inverter o Brexit para poderem concorrer. Jamais os Farage, Boris e outros teriam qualquer chance frente à Taça da União Europeia. Era demasiado tentador. Os mesmos britânicos que votaram pela saída seriam os primeiros a querer permanecer e apenas para disputar a Taça da União Europeia. Podem dizer-me, e com toda a razão, que quereriam ficar na União Europeia pelas razões erradas, mas, acrescento eu, essas mesmas pessoas querem sair por razões também erradas, embora sejam outras. Erradas por erradas, pois que fiquem na União! 

É totalmente verdade que há coisas muito mais importantes que o futebol. Também não se espera que a União Europeia gaste todos os seus recursos financeiros e humanos nesta Taça, apenas uma ínfinitíssima parte; aliás, quase que aposto que os patrocinadores privados cobririam rapidamente todo o orçamentoConcordo que o emprego, a saúde, a educação e a justiça são muito mais importantes que o futebol. No entanto, tenho que salientar, a felicidade dos seres humanos está longe de estar apenas ligada a questões lógicas, racionais e objetivas. A felicidade inclui tudo isso em primeira linha, mas inclui também a paixão. A paixão pelo futebol! 

Frederico Cardigos
Colaborador Convidado / "Representante dos Açores em Bruxelas"
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor.

Frederico Abecasis David Cardigos é licenciado em biologia marinha e pescas e mestre em gestão e conservação da natureza. É atualmente o Coordenador do Gabinete de Representação da Região Autónoma dos Açores em Bruxelas, cargo que exerce desde 2017.

Ler mais: Frederico Cardigos

 

Textos deste autor:

RECOMENDADOS PARA SI

Eventos este Mês

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29

Últimos Tweets

Forte da Ínsua vai tornar-se em hospedagem https://t.co/q5bnEv2WEX
BE quer saber que medidas vai tomar o Governo após insultos racistas a Marega https://t.co/X1VGd8RZyT
Óbito/Tozé Martinho: Luis Filipe Vieira expressa tristeza pela morte de benfiquista https://t.co/cXAeQcaQNF
Follow Jornal das Comunidades on Twitter