Covid-19: Costa conta fechar em breve acordo com a banca para moratória no pagamento de créditos

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

O primeiro-ministro conta fechar em breve um acordo com a banca para uma moratória no pagamento de créditos das empresas e das famílias e estima em mil milhões de euros o custo mensal do recurso ao lay-off.

"Estamos a poucos dias de acordar com a banca - para além das iniciativas que os vários bancos já têm vindo a anunciar - uma moratória, seja para as famílias com o crédito à habitação, seja para as empresas com créditos múltiplos, de forma a assegurar-lhes maior liquidez na tesouraria das empresas", declarou hoje António Costa na entrevista à TVI.

Na entrevista, o líder do executivo adiantou que a existência do crédito em negociação será extensível a quatro anos no máximo, tendo um ano de período de carência.

"Iremos utilizando todos os recursos que tivermos. O Estado não tem uma varinha mágica para resolver o problema de todos. Isto tem de ser um esforço conjunto, dos empresários, dos trabalhadores e do Estado", sustentou António Costa sobre as perspetivas da economia portuguesa nos próximos meses.

Confrontado com a possibilidade de as medidas a adotar pelo Governo se revelarem insuficientes, António Costa respondeu: "Não há boias que nos ajudem num tsunami".

"Um tsunami é um tsunami. E temos um tsunami pela frente. Portanto, não vale a pena estarmos a criar a ilusão às pessoas de que vamos passar este processo sem dor. Vai ter dor. E acho que esta é uma relação de franqueza que temos de ter todos uns com os outros. Não há medidas mágicas que evitem isso", defendeu.

Já sobre a possibilidade de Portugal ter em breve um milhão de desempregados, o primeiro-ministro considerou essencial evitar esse tipo de cenários.

"O recurso ao lay-off custará qualquer coisa ao Estado como mil milhões de euros por mês. A pior coisa que pode acontecer é haver um aumento do desemprego massivo", afirmou António Costa, justificando o recurso a este regime por parte do executivo.

De acordo com o primeiro-ministro, até a este momento, "os pedidos de autorização para despedimentos coletivos são ainda um número bastante limitado".

"E é fundamental que os empresários tenham a confiança necessária para perceberem que este não é o momento de fazerem despedimentos. Pelo contrário, este é o momento de se baterem pelas suas empresas e pelos seus trabalhadores, fazerem um sacrifício muito grande", sustentou.

Nos próximos três meses, segundo o primeiro-ministro, "é preciso fazer mesmo um esforço todos em conjunto para sustentar o mais possível as empresas, o emprego e os rendimentos de forma ao país não afundar".

"Toda a gente diz: O país tem de parar. Não, o país tem de continuar. O país não pode parar. É este equilíbrio que nós temos de manter", acrescentou.

Entretenimento e Formação

Estatísticas mundiais do coronavírus


RECOMENDADOS PARA SI

Eventos este Mês

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Últimos Tweets

Euribor sobem a três, seis e 12 meses para máximos desde setembro https://t.co/dMDsvVr724
Covid-19: PR timorense autoriza transferência de Fundo Petrolífero https://t.co/qIlepIg2da
ENTREVISTA: Covid-19: Em termos económicos estamos pior que “numa situação de guerra” – Daniel Bessa https://t.co/bid6IQu6W5
Follow Jornal das Comunidades on Twitter