NOTA! Luso.eu usa cookies e tecnologias similares. Se você não alterar as configurações do navegador, você concorda com isso.

Saiba mais aqui

Compreendi

Associação Memória Viva luta contra invisibilidade da emigração portuguesa há 14 anos

Votos do utilizador: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Paris, 20 out (Lusa) - A Associação Mémoire Vive/Memória Viva luta contra a invisibilidade da emigração portuguesa desde 2003, através da recolha de testemunhos, criação de arquivos, apoio à investigação, organização de exposições e projeção de filmes.A associação foi criada por portugueses que "achavam que era importante que a memória da emigração portuguesa fosse recolhida, trabalhada e divulgada", disse à Lusa Ilda Nunes, presidente da associação.

"Os portugueses de França são invisíveis talvez porque não fazem distúrbios como outros, mas o português foi sempre visto como um trabalhador que aceita tudo e mais alguma coisa e não contesta. Não é o caso de todos os portugueses, mas foi o caso de muitos, muitos portugueses", explicou a dirigente associativa.

Ilda Nunes, que chegou a França com 15 anos em 1966, contou que a associação tem lutado para dar a conhecer a história da emigração portuguesa, já que "os portugueses são muito numerosos em França e trabalharam para a reconstrução da França e da sua economia".

A associação tem recolhido e continua a recolher, testemunhos de pessoas que emigraram para França "a salto", por exemplo, entre os anos 50 e os anos 70, estando esses testemunhos visíveis na página internet http://www.memoria-viva.fr/ e na página http://www.sudexpress.org/.

Entre os membros fundadores da associação está o cineasta José Vieira que teve a ideia da plataforma virtual Sudexpress depois de se aperceber, após a realização do filme "La Photo Déchirée" ["A Fotografia Rasgada"], em 2001, que não existia "nenhum local especificamente consagrado à história e à memória da e/imigração portuguesa".

"Quando fiz o filme La Photo Déchirée, nessa altura, houve muitos debates sobre o filme e havia gente que não fazia ideia do que foi a história dos pais. Recebi imensas mensagens de agradecimento por falar disso. Havia um vazio total, um vazio sideral à volta disto, e era preciso fazer algo pela memória. A ideia era fazer escrever essas memórias pelas próprias pessoas. Hoje já há um reconhecimento desta história e vários projetos sobre o tema", disse à Lusa José Vieira.

Nasceu, então, o Sudexpress, um espaço virtual - sonoro e visual - para recolher e transmitir essas memórias e também para as contextualizar, tendo o projeto sido apoiado pela Fundação Calouste Gulbenkian e, depois, adotado pela Memória Viva e colocado online em 2006.

Na plataforma há narrativas de viagens, recordações dos primeiros tempos passados em França, relatos da e/imigração e até "um abecedário do "frantuguês" - conjunto de palavras e de expressões que os portugueses foram buscar à língua francesa e que pronunciam à portuguesa".

A 19 de junho, a associação depositou um fundo de arquivos sobre a memória da emigração portuguesa na Bibliothèque de Documentation Internationale Contemporaine, um centro de arquivos especializado na história do século XX e ligado à Universidade Paris-Nanterre.

Ao longo dos anos, a Memória Viva tem apoiado vários projetos, como a publicação do livro "Exílios, testemunhos de exilados e desertores portugueses na Europa (1961-1974)" da Associação dos Exilados Políticos 1961-1974 (AEP 1961-74) e o projeto fotodocumental "E-Migras?", da fotógrafa Rose Nunes, que cruza emigrantes antigos com emigrantes de hoje.

A associação também organiza projeções de cinema e debates, na presença de realizadores e especialistas da emigração.

A Memória Viva está, atualmente, a trabalhar na criação de uma mala com documentos audiovisuais para levar às escolas e "falar da emigração portuguesa, da história de Portugal antes e depois de 74, da participação portuguesa na Primeira Guerra Mundial" em França.

Ilda Nunes, que é também professora de português e de francês em Paris, disse que "há 15, 20 anos" os seus alunos "tinham vergonha de serem de origem portuguesa" e "hoje em dia já não e reivindicam as origens portuguesas".

A associação venceu o Prémio Cap Magellan do Melhor Projeto Associativo, a 14 de outubro, na gala de homenagem à primeira República portuguesa no Hôtel de Ville, em Paris, e o prémio de 1.500 euros vai servir para ajudar a montar a exposição "Refuser la guerre coloniale" ["Rejeitar a guerra colonial"] prevista para 2019 na capital francesa.

A exposição vai juntar documentos de arquivo, fotografias, cartazes da época e testemunhos de desertores, refratários e outros que fugiram de Portugal para França para não irem para a Guerra Colonial na Guiné-Bissau, Angola e Moçambique entre 1961 e 1974.

Pub


Últimos Tweets

Encontro com Talentos do Concelho https://t.co/w5EPLHDVnB
Dois mortos no incêndio em cobertura de prédio na Baixa de Lisboa https://t.co/SIDH0ZWJRM
Pedrógão Grande: Presidente do Revita não teve queixas mas vai avaliar denúncias https://t.co/SQqd6oCVw0
Follow Luso.be - Bélgica on Twitter