Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor.

Covid-19: Portuguesa contribui nos EUA com cuidados de saúde mental e voluntariado

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

(Lusa) – A enfermeira de saúde mental Ana Paula Gomes considera que pode contribuir para “diminuir a histeria coletiva” nos Estados Unidos da América e apoiar pacientes através de consultas virtuais e voluntariado, perante a pandemia de covid-19.

“Muitas pessoas estão a ficar inquietas e a minha tarefa é tentar diminuir a histeria coletiva e ser realista na abordagem da pandemia”, disse à Lusa a luso-americana Ana Paula Gomes, enfermeira especialista a trabalhar na área de Boston com o grau de “nurse practitioner”, que representa um cargo mais avançado da enfermagem nos Estados Unidos.

A mulher de 27 anos é enfermeira doutorada em saúde psiquiátrica e mental, preparada para diagnosticar, conduzir terapias ou prescrever medicação a pacientes com distúrbios psiquiátricos ou distúrbios cerebrais orgânicos.

Nesta altura em que os Estados Unidos são o país com maior número de infetados com coronavírus – quase 165 mil – e o estado de Massachusetts, onde Ana Paula reside, é o quinto mais afetado no país, a portuguesa diz que a necessidade de serviços de saúde mental disparou, muito por causa das ordens de quarentena, isolamento voluntário e distanciamento social.

A profissional realiza consultas virtuais a pacientes dentro de hospitais ou fechados em casa, inclusive adultos com crianças, que revelam muita ansiedade e “muito perto do pânico” e que não se sentem bem por estarem isolados.

O que preocupa muito as pessoas é “essencialmente, o desconhecido”, destaca a profissional de saúde, sublinhando, no entanto, que a população nos EUA tem qualificações elevadas e está devidamente consciente e informada pelos especialistas de saúde sobre os esforços de contenção de doenças infecciosas.

“Tento assistir o melhor que posso, fornecendo terapia, apoio ou 'coping skills' [métodos para lidar] neste momento difícil, mas também educando para as orientações dadas pelo CDC”, autoridade nacional de saúde, explica a enfermeira. 

Voluntária em organizações de solidariedade, Ana Paula espera ser mobilizada para prestar auxílio em situação de catástrofe, em qualquer local dos Estados Unidos, como fez em 2017 no centro-sul do país depois do furacão Harvey, que devastou o Texas e Louisiana. 

Ana Paula dirigiu uma equipa de saúde mental e apoio psicológico durante duas semanas num “mega abrigo”, onde estavam cerca de cinco mil pessoas, que tinham sido retiradas das suas casas, enquanto mais de mil voluntários e representantes de variadas organizações de solidariedade cooperavam entre si para conseguir dar assistência à população.

No mês de fevereiro teve uma missão em El Salvador, a tratar de pessoas e crianças em idade escolar e teve de passar por controlos de segurança com avaliação da temperatura corporal, um dos primeiros passos impostos nos aeroportos americanos.

 “Regressei para uma América muito diferente”, comenta a enfermeira, nascida na cidade de Salem, em Massachusetts e criada no seio da comunidade portuguesa de Peabody, onde também se voluntariou e participou em diversas associações socioculturais portuguesas.

Ana Paula Gomes diz que os Estados Unidos estão a combater a covid-19 com “uma dinâmica muito diferente” da Europa em termos de saúde, mas de forma global, ninguém estava preparado para esta pandemia.

Nas suas funções, a profissional tenta manter as pessoas “realistas, conscientes do estado de saúde e vigilantes” e insiste que a população se mantenha protegida e que comunique se tiver sintomas da covid-19.

Sem sintomas, não se justifica fazer um teste, adianta a enfermeira, até porque o vírus demora vários dias a desenvolver sintomas ou a revelar-se.

“Se uma pessoa for testada mais cedo, pode receber um resultado falso negativo e estar a espalhar a doença sem saber”.

Por isso, os conselhos da CDC para quem está infetado, com ou sem sintomas, é o isolamento voluntário em casa por 14 dias para evitar a infeção a outras pessoas.

Os EUA são atualmente o país com mais casos de infeção pelo novo coronavírus - quase 175 mil casos confirmados - e 3.400 mortes. 

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 800 mil pessoas em todo o mundo, registando-se perto de 40.000 mortes, desde que surgiu na China em dezembro passado.

Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor.


RECOMENDADOS PARA SI

Eventos este Mês

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Últimos Tweets

10 de Junho celebrado nos Jerónimos com discursos de Tolentino Mendonça e do PR https://t.co/zkSB3weNLB
3 milhões de euros para formar futuros investigadores em Meteorologia Espacial e Física Solar https://t.co/1c60a5gU0g
Luso-americanos de Nova Iorque preparam Dia de Portugal ‘online’ https://t.co/Mf7UsnWJZK
Follow Jornal das Comunidades on Twitter