Um nome, um rosto, uma postura. O assistente social, diligente e interessado…
O confidente, em quem se podia confiar! Eloquente e dedicado, sabia como informar, aconselhar, orientar…
Solidário, acudia a cada caso com a mesma dedicação e empenho. Firme e determinado, defendia os interesses, os valores e os direitos daqueles que a ele recorriam e foram tantos! Humilde, sabia lidar, num terreno sempre delicado, com elevada proficiência. Obstinado, nunca renunciou às suas responsabilidades, assumindo por inteiro o seu relevante cargo! O homem que durante 40 anos prestou, com distinção, bons e leais serviços à causa pública, deixa agora vago aquele lugar. Para empreender uma nova etapa e outras andanças, num tempo, também ele, repleto de oportunidades. Depois de uma longa carreira profissional, estimulante, surge agora a ocasião de fazer diferente, de usufruir de uma nova vida que lhe desejamos cheia de novos e audaciosos desafios…

“Não deixes que a nostalgia do passado e o medo do futuro
te estraguem a alegria do momento presente!”

Empurrados pelo tempo que avança, somos, todos e cada um, confrontados com o passo da retirada de funções, num afastamento profissional que se impõe. A reforma ou aposentação é o tempo por excelência, exuberante oportunidade de fazer o que não é possível realizar enquanto se exercem funções. É o início de uma nova etapa onde se devem realizar alguns sonhos, um tempo onde o lazer e a dedicação se cruzam e se completam. É o tempo de recordar com orgulho um passado profissional cheio de venturas, muitas histórias e outras avolumadas memórias. É acima de tudo um tempo de motivo e de consagração: à família, aos amigos, aos planos e iniciativas, aos projetos e realização pessoal, ao convívio e até partilha voluntária de bons serviços à comunidade. Sabemos que o curso da vida se apresenta segmentado por diferentes fases, cada uma com as suas características. Cabe a cada um fazer a melhor opção, mantendo o entusiasmo e uma mente ancorada nos bons propósitos...
Nesta hora da partida, cruzam-se vontades e outros sentimentos de respeito, de afeto e muita admiração. Pelo que fez e pelo que é, o Dr. Joaquim Martins merece a nossa profusa gratidão. A comunidade portuguesa, na sua diversidade, enaltece e gratifica o excelente trabalho e dedicação exercida durante tantos anos. Nesta fase e atendendo ao proeminente desempenho das suas funções, o Dr. Martins merece ser distinguido, na atribuição e uma qualquer insígnia honorífica! No mínimo a Medalha de Mérito das Comunidades Portuguesas. Pela sua excepcional carreira de serviço e disponibilidade; pelo que representou e desenvolveu, granjeando admiração e muita estima; pelo engrandecimento e prestígio de Portugal… Pela Comunidade Portuguesa na Bélgica!
Em tempos e circunstâncias adversas, o Dr. Martins soube agir de forma subtil e engenhosa, pautando a sua ação pela defesa intrínseca dos direitos das pessoas. Por dever e por vocação, atendia a todos de forma peculiar! Sereno, mas firme na resolução dos problemas e outras situações de grande sensibilidade social. Sempre disponível, soube afirmar Portugal através da ação social e de apoio aos seus compatriotas. Não se furtava a esforços, no atendimento e na persistente atitude de levar a bom porto cada caso, cada situação. Determinado e convicto até à hora da partida…
O Dr. Martins deixa-nos uma obra e um legado inconfundíveis, assente nas pessoas; na sua dignidade e na sua valorização! Altamente merecedor da nossa homenagem, deseja apenas que o seu trabalho possa ter continuidade. Que haja sensibilidade suficiente para não se acabar com o Serviço Social da nossa Embaixada. Uma decisão que não depende dele, mas que fez questão em sublinhar, na sua importância e contexto. Em nome da propalada crise económica, penalizam-se os que mais precisam em termos de apoio humano e social… Esperamos que o bom senso e a visão estratégica de quem pode, favoreça a manutenção deste importante lugar na prestação de bons serviços à Comunidade Portuguesa na Bélgica.
Ao nosso amigo, que embarca no tempo da reforma com a força do dever cumprido, não lhe faltarão meios e razões de salutar ocupação! Amante das letras e da escrita, onde mostrou dotes de bom escritor, nomeadamente nas suas obras “Viagens na minha infância” e “Sabugal e a Invasões Francesas”, terá o tempo e o espaço suficiente para nos presentear com novas edições. E por que não sobre imigração na Bélgica, com histórias e outras memórias da vida e acção continuada, em atenção ao trabalho desenvolvido ao longo de tantos anos? Cá fica a sugestão que também é desafio…
Os próximos tempos vão ser de maior ocupação com a sua numerosa grei! Do casamento com uma cidadã belga há mais de 40 anos, tiveram três belas raparigas. Ambos compartilham a alegria de ter 7 netos. Como vai ser profícua e intensa a vida e ação do nosso reformado, a quem desejo as maiores felicidades!
E porque as palavras voam, os escritos permanecem e os exemplos arrastam, aqui fica para a posteridade, o gesto, o apreço e o testemunho vivo ao “Senhor Martins da Embaixada”, pela sua marcante dedicação em prol das pessoas! Claro que deixa saudades… e alguma emoção! Mas fica acima de tudo o dom da vida, numa nova fase, recheada de surpresas e outras alegrias que estimulam e valorizam. E é caso para dizer: “bons vents” amigo, nessa viagem até ao infinito de uma vida livre e cheia de ventura!


©António Luís Rodrigues Fernandes