Lisboa, 09 jun (Lusa) – Portugal é um dos poucos países do Mundo que dedica o seu dia nacional a uma data relacionada com a Cultura, dia apontado para a morte de Camões, e não a um facto da sua História política.

O Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas é assinalado, como tal, desde 1977, depois de, durante a ditadura, com António de Oliveira Salazar, ter sido o Dia da Raça.

A primeira referência legal que declara “Dia de Festa Nacional e de Grande Gala” o 10 de junho data de 27 de abril de 1880. É um decreto das Cortes Reais em que o rei D. Luís I acedeu a que se assinalassem os 300 anos da data apontada pelos historiadores para a morte de Luís de Camões, 10 de junho de 1580.

Após a queda da Monarquia e a implantação da República, em 1919, na primeira lista de feriados nacionais elaborada pelo Governo, não aparece ainda o 10 de Junho, mas o decreto 17.171, de 29 de agosto de 1919, consagrava-o como feriado.

Depois do golpe do 28 de maio de 1926, as celebrações passam a ter especial ênfase como Dia da Raça.

Em 2008, Cavaco Silva utilizou a palavra raça e a polémica voltou, com o Bloco de Esquerda a criticar o Presidente da República por usar a “pior imagética” do Estado Novo.

Ao comentar uma paralisação de camionistas, Cavaco disse: "Hoje eu tenho que sublinhar, acima de tudo, a raça, o dia da raça, o dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas."

Apesar de já ser assinalado pelos portugueses, o Dia de Portugal surge fixado como 10 de junho num decreto-lei de 04 de janeiro de 1952.

A revolução nascida do 25 de Abril de 1974 risca a comemoração do Dia da Raça e o Dia de Camões passa a ganhar relevância – afinal, durante o Estado Novo, os meios oposicionistas utilizaram Camões como “bandeira” e símbolo.

No entanto, só em 1977, por decreto de 04 de março, foi consagrado o novo significado ao 10 de Junho como “representação do Dia de Portugal, como harmoniosa síntese da Nação Portuguesa, das comunidades lusitanas espalhadas pelo Mundo e da emblemática figura do épico genial”.

Ficava, assim, batizado o “Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas”.

A partir desse ano, 1977, as comemorações oficiais tiveram sede em várias cidades do país, do Porto a Faro, de Portalegre aos Açores.

Em 2016, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, estreou-se nas comemorações do 10 de Junho, que, pela primeira vez, se fizeram em Lisboa e no estrangeiro – em Paris, França.

Em 2017, as cerimónias foram repartidas entre o Porto, Rio de Janeiro e São Paulo, no Brasil.

Este ano, as comemorações do Dia de Portugal vão realizar-se entre Ponta Delgada, nos Açores, Boston e Providence, nos Estados Unidos, de 09 a 11 de junho.

Pub