Londres, 10 abr (Lusa) - A visita a Londres que o primeiro-ministro, António Costa, inicia hoje é vista pela comunidade portuguesa no Reino Unido como uma oportunidade para garantir os direitos dos emigrantes no país e boas relações económicas bilaterais no contexto do Brexit.

Depois de uma reunião com a homóloga britânica, Theresa May, esta tarde, António Costa vai encontrar-se com representantes da comunidade numa receção na embaixada de Portugal no Reino Unido.

Adelina Pereira, uma dinamizadora da comunidade, afirmou à agência Lusa que a visita deve em primeiro lugar "assegurar que de facto os direitos dos cidadãos portugueses que cá vivem continuam a ser a respeitados e assegurados porque ainda há dúvidas relativamente a pessoas com situação menos clara".

Inativa por questões de saúde, esta portuguesa mostra-se também preocupada com outras pessoas que não estão empregadas, como mulheres que ficaram a tomar conta dos filhos.

É necessário saber, vincou, "se de facto vai haver alguma represália nesse sentido", referiu, mostrando-se convicta de que "a priori, não haverá".

A outra questão que qualificou de "extrema importância é assegurar uma colaboração a nível económico e de comércio saudável equilibrada".

O Reino Unido vai deixar a União Europeia em 29 de março de 2019, dois anos após o lançamento oficial do processo de saída, e quase três anos após o referendo de 23 de junho de 2016 que viu os 52% dos britânicos votarem a favor do Brexit.

Estima-se que residam no Reino Unido cerca de 400 mil portugueses, embora o ritmo de chegada tenha caiu 26% em 2017 relativamente ao ano anterior, regredindo para perto dos valores registados em 2012, segundo estatísticas oficiais britânicas.

De acordo com o Ministério do Trabalho e Pensões britânico, no ano passado registaram-se na segurança social 22.622 portugueses, menos 7.921 do que em 2016, quando se inscreveram 30.543 portugueses.

Em dezembro foi aprovado um documento de entendimento sobre os termos do Brexit, que protege os europeus no Reino Unido e os britânicos a residir em países europeus através de um estatuto de residência, mas falta ser traduzido em texto jurídico e integrado nas legislações nacionais.

O segundo dia do primeiro-ministro na capital britânica, na quarta-feira, será totalmente dominado pela agenda económica, começando com um pequeno almoço com potenciais investidores.

António Costa participa depois num fórum de negócios "Portugal/Reino Unido e segunda conferência económica sobre negócios entre Portugal e a Índia.

Pub